O JORNAL

VIDA  –  LIBERDADE  –  SOLIDARIEDADE

SÃO PAULO  –  BRASIL  –  Editor:  Antonio AGGIO Jr.

 

OUÇA O HINO "FIBRA

DE HERÓI",  AQUI

ESTAMOS SOB

O "TERRORISMO SEM

 TERRORISTA"

Meio século atrás, quando eu dirigia o inesquecível jornal FOLHA DA TARDE, o governo encabeçado pelo ideólogo comunista FERNANDO HENRIQUE CARDOSO estava a implantar a "NOVA CRIMINOLOGIA", uma inédita e asquerosa  faceta de Direito Penal. Com a ajuda do Serviço Secreto do Departamento de Ordem Política e Social - DOPS paulista, descobri e publiquei no alto da primeira página, em manchete, que a tal Nova Criminologia não passava de uma manobra para acobertar  a substituição dos terroristas vinculados a partidos clandestinos de natureza marxista  pelos bandidos comuns rotulados de "vítimas da sociedade" e "rebeldes sem causa", o que tornaria mais difícil descobrir e provar as ligações das organizações criminosas clandestinas do tipo ALN, VPR, AP, APML, MR-8 etc. com os assassinos, sequestradores, ladrões de banco e outros  meliantes desse tipo, usados para abastecer os cofres dessas quadrilhas "políticas".

Daquela canalhice tucana nasceu tudo de podre que contaminou e  praticamente tornou nula a legislação penal brasileira. O morticínio que vemos hoje nas ruas representa o sucesso dessa empreitada comuno-psdbista de FHC e seus acólitos, depois completada pelos quadrilheiros de LULA e do PT, sob o comando de ZÉ DIRCEU e a orientação direta de FIDEL CASTRO e seu Partido Comunista Cubano.

O resultado disso - COMANDO VERMELHO, PRIMEIRO COMANDO DA CAPITAL - PCC e demais facções criminosas  - é consequência, assim como é consequência o que vemos acontecer no STF --  Supremo Tribunal Federal -- única corte de matéria constitucional a atuar  também como instância criminal, em todo o mundo.

Assim, vivemos hoje sob o pior tipo de despotismo, isto é, a tirania contra a qual só se pode tentar apelar legalmente mediante recurso ao próprio tirano no âmbito do seu tribunal de exceção. Um panorama dantesco que culmina, nas ruas, com o narcotráfico, as  cracolândias, os roubos, os latrocínios, a insegurança epidêmica que se traduz como "TERRORISMO SEM TERRORISTA", implantado pelos comunistas de linha fabiana criadores do PSDB - Partido da Social Democracia Brasileira.

ANTÔNIO AGGIO JR. - 21/05/2022

O autor é jornalista profissional desde 1954.

 

Urnas-e sem impressão de voto para auditoria

POVO BRASILEIRO SOFRE

 GRAVE AMEAÇA DESDE 2003

Em sua edição nº 15 (dezembro de 2003) este jornal publicou matéria sobre as urnas eletrônicas, que parece destinada aos dias atuais. Entre outras coisas, esse texto reproduz manifesto assinado inicialmente por 600 cientistas brasileiros especializados em informática, diversos deles possuidores de reputação internacional. Também informava o que acontecera nos EUA, onde o emprego de urnas eletrônicas como as nossas,  sem materializar voto impresso para auditoria,  fora proibido.

Eis o teor dessa matéria:

“Acaba de ser suspenso o uso de urna eletrônicas no Estado norte-americano de Ohio, conforme noticiou a imprensa dos EUA. Depois de estudar o problema, o Secretário de Estado Kenneth Blackwell declarou que o uso das atuais "urnas-e" americanas (sem voto impresso verificado pelo eleitor) está suspenso. Elas não foram utilizadas nas eleições de 2004. Posteriormente, poderão ser empregadas desde que se prove sua confiabilidade.

Durante os últimos 30 dias, Ohio é o terceiro Estado norte-americano a decretar o fim dessas máquinas eletrônicas sem voto materializado, passível de conferência pelo eleitor no momento da votação ou nas recontagens posteriores. A Califórnia e Michigam já haviam determinado que as urnas devem emitir o "rastro de auditoria verificável pelo eleitor", ou seja, um comprovante confiável no qual, através de uma janelinha de vidro, mesmo sem tocar  no papel,  o votante veja se o seu voto foi registrado corretamente ou desviado para outro candidato.

Enquanto isso, no Brasil, a Câmara dos Deputados aprovou no início de outubro último, na calada da noite, em regime de urgência e sem qualquer discussão técnica, a chamada "lei do voto virtual", sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva imediatamente. O projeto foi aprovado a toque de caixa pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado, em grau terminativo, sem passar pelo Plenário. Assim, apenas 16 senadores (somente um votou contra) decidiram modificar as regras que afetam os votos de milhões de brasileiros já nas eleições do ano seguinte, retirando-se as impressoras que, pela lei eleitoral anterior, deveriam funcionar acopladas às urnas. Dessa forma, não será possível conferir a votação com eficiência.

O AVISO DE QUEM ENTENDE DO ASSUNTO

Antes da aprovação da lei, membros da comunidade acadêmica brasileira, com o apoio de centenas de cidadãos preocupados com a lisura das eleições, publicaram um alerta que não foi considerado pelos parlamentares. Como esse alerta permaneceu válido, os organizadores do movimento continuaram solicitando apoio pela Internet em 
www.votoseguro.com/alertaprofessores

Esses especialistas da área de Computação sabem que um sistema informatizado sem controle é altamente inseguro. Por isso, sentiram-se no dever de alertar a população, maravilhada com os dispositivos eletrônicos sem saber dos riscos que está correndo. Eles têm declarado que "não podemos deixar para nossos filhos e netos um sistema eleitoral sujeito a erros e fraudes eletrônicas difíceis de descobrir", acentuando: "Lutamos por um estudo técnico independente sobre a segurança desse sistema, que proponha meios de fiscalização dos resultados".

Eis a seguir, na íntegra, o manifesto colocado na Internet pelos professores de Computação e que, de início,  recebeu 600 assinaturas.

ALERTA CONTRA A INSEGURANÇA
DO SISTEMA ELEITORAL INFORMATIZADO

Somos favoráveis ao uso da Informática no Sistema Eleitoral, mas não à custa da transparência do processo e sem possibilidade de conferência dos resultados.

Cidadão brasileiro,

Nosso regime democrático está seriamente ameaçado por um projeto de lei em tramitação no Congresso Nacional, o Projeto do Voto Virtual, PL 1503/03. Este projeto, sob a máscara da modernidade, acaba com as alternativas de auditoria eficiente do nosso Sistema Eleitoral Informatizado, pois:

(1) elimina o registro impresso do voto conferido pelo eleitor, substituindo-o por um 'voto virtual cego', cujo conteúdo o eleitor não tem como verificar;

(2) revoga a obrigatoriedade de a Justiça Eleitoral efetuar uma auditoria aberta em seu sistema informatizado antes da publicação dos resultados finais;

(3) permite que o Sistema Eleitoral Informatizado contenha programas de computador fechados, ou seja, secretos.

O Projeto de Lei do Voto Virtual nasceu por sugestão de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF)  e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ao senador Eduardo Azeredo, e sua tramitação tem sido célere, por interferência direta desses ministros sobre os legisladores, como declarado por estes durante a votação no Senado.

Como as Comissões de Constituição e Justiça das duas casas legislativas analisaram a jurisprudência do projeto, mas, apesar das constantes alertas de membros da comunidade acadêmica para seus riscos sem rigorosos procedimentos de auditoria e controle, nenhuma audiência pública com especialistas em Informática e Segurança de Dados foi realizada.

Essa lei, se aprovada, trará como resultado a instituição de um sistema eleitoral no qual não se poderia exercer uma auditoria externa eficaz, pondo em cheque até os fundamentos do projeto democrático brasileiro. Aceitando essa interferência e implantando um sistema eleitoral obscuro, corre-se o risco de virmos a ser governados por uma dinastia, com os controladores do sistema eleitoral podendo eleger seus sucessores, mesmo sem ter os votos necessários.

A Nação, anestesiada pela propaganda oficial, lamentavelmente  desconhece o perigo que corre. Os meios de comunicação, com honrosas exceções, omitem-se inexplicavelmente, como se o assunto não fosse merecedor de nossa preocupação.

A finalidade deste alerta é a denúncia da falta de confiabilidade de um sistema eleitoral informatizado que, ao utilizar programas de computador fechados, baseia-se em urnas eletrônicas sem materialização do voto, não propicia meios eficazes de fiscalização e auditoria pelos partidos políticos, e pode identificar o eleitor por meio da digitação do número de seu título eleitoral na mesma máquina em que vota. Assim, o princípio da inviolabilidade do voto, essencial numa democracia, será respeitado apenas na medida em que os controladores do sistema eleitoral o permitirem, transformando-se o voto secreto em mera concessão.

Uma verdadeira caixa-preta a desafiar nossa fé, este sistema é inauditável, inconfiável e suscetível de fraudes informatizadas de difícil detecção. Como está, ele seria rejeitado na mais simples bateria de testes de confiabilidade de sistemas pois, em Informática, "Sistema sem fiscalização é sistema inseguro".

Muitas das fraudes que ocorriam quando o voto era manual, foram eliminadas, mas o cidadão brasileiro não foi evidenciado de que, com a informatização, introduziu-se a possibilidade de fraudes eletrônicas mais sofisticadas, mais amplas e mais difíceis de ser descobertas.

Enquanto os países adiantados caminham no sentido de exigir que os sistemas eleitorais informatizados possuam o material de registro do voto, procedam auditoria automática do sistema e apenas utilizem programas de computador aberto, com esse Projeto de Lei do Voto Virtual, o Brasil vai no contramão da história.

De que adianta rapidez na publicação dos resultados, se não respeitar o direito do cidadão de verificar que seu voto foi corretamente computado? Segurança de dados é assunto técnico especializado e assusta a falta de seriedade com que nossa votação eletrônica tem sido tratada, nos três Poderes, por leigos na matéria. Os rituais promovidos pelo TSE, como a apresentação dos programas, a carga das urnas e os testes de simulação são apenas espetáculos formais, de pouca significância em relação à eficiência da fiscalização.

Surpreende-nos, sem desmerecer suas competências na área jurídica, que as autoridades respeitáveis da Justiça Eleitoral possam anunciar, com toda a convicção, que o sistema eleitoral informatizado é "100% seguro" e "orgulho da engenharia nacional", externando inverdades em áreas que não dominam, alheias ao seu campo de conhecimento específico.

Para o eleitor, a urna é 100% insegura, pois pode ser programada para "eleger" desde vereadores até o próprio presidente. O único e mais simples antídoto para esta insegurança é a participação individual do eleitor na fiscalização do registro do seu próprio voto, pois ele é o único capaz de fazer isso.

O TSE sempre evitou debater tecnicamente a segurança da urna, ignorando todas as objeções técnicas em contrário. Nenhum estudo isento e independente foi feito até hoje sobre a alegada confiabilidade da urna sem o voto impresso. O estudo de um grupo da Unicamp (pago pelo TSE), imparcial e pleno de ressalvas, recomendou vários procedimentos como condição para garantir o nível de segurança necessário ao sistema. ressalvas essas, infelizmente, omitidas na propaganda sobre as maravilhas da urna.

A confiabilidade dos sistemas informatizados reside nas pessoas e nas práticas seguras. Palavras mágicas como assinatura digital, criptografia assimétrica, amassamento pseudoaleatório e outras panaceias de nada valem se não forem acompanhadas de rigorosos procedimentos de verificação, fiscalização e auditoria externa. Se esta urna algum dia cair sob o controle de pessoas desonestas, elas poderão eleger quem desejarem. De modo algum podemos confiar apenas nas pesquisas eleitorais como modo de validar os resultados das urnas eletrônicas, especialmente se as diferenças entre os candidatos forem pequenas.

Nenhum sistema informatizado é imune à fraude, especialmente a ataques internos, como sucedeu em julho de 2000 com o Painel Eletrônico do Senado, fato que levou à renúncia de dois senadores. A única proteção possível é um projeto cuidadoso que atenda aos requisitos de segurança, e a possibilidade de auditorias dos programas, dos procedimentos e dos resultados.

Basta de obscurantismo no Sistema Eleitoral. Enfatizamos a necessidade de serem realizados debates técnicos públicos e independentes sobre a segurança do sistema e de seus defeitos, antes da aprovação de leis que comprometam a transparência do processo.
A democracia brasileira exige respeito ao Princípio da Transparência e ao Princípio da Tripartição de Poderes no processo eleitoral.

Instamos todos os eleitores preocupados com a confiabilidade de nosso sistema eleitoral a transmitir suas preocupações, por todos os meios possíveis, a seus representantes no Congresso e aos meios de comunicação.

Brasil, setembro de 2003

Signatários iniciais:

Walter Del Picchia
Professor Titular da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo - USP

Jorge Stolfi
Professor Titular do Instituto de Computação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP

Michael Stanton

Professor Titular do Depto. de Ciência da Computação da Universidade Federal Fluminense - UFF

Routo Terada

Professor Titular do Depto. de Ciências da Computação do Instituto de Matemática e Estatística da USP

Edison Bittencourt

Professor Titular da Faculdade de Engenharia Química da Universidade de Campinas - UNICAMP

Pedro Dourado Rezende

Professor do Depto. de Ciência da Computação da Universidade de Brasília - UNB - Representante da Socied. Civil no Comitê Gestor da Infraestrutura de Chaves Públicas ICP-Brasil

Paulo Mora de Freitas

Chefe do Serviço de Informática do Laboratório Leprince-Ringuet da Ecole Polytechnique, Palaiseau, França

José Ricardo Figueiredo

Professor Dr. do Depto. de Energia da Faculd. de Eng. Mecân. da Universid. de Campinas-UNICAMP

Alguns apoios ao manifesto:

Claudio Zamitti Mammana - Professor Livre Docente do Instituto de Física da USP, ex-presidente da SBC e da ABICOMP, ex-secretário adjunto da Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo

João Antonio Zuffo - Professor Titular da Escola Politécnica da USP

Imre Simon - Professor Titular Aposentado do Instituto de Matemática e Estatística da USP - São Paulo, SP

Plínio Benedicto de Lauro Castrucci - Professor Titular da Escola Politécnica da USP

Giorgio Gambirasio - Professor Titular da Escola Politécnica da USP

Dimetri Ivanoff - Professor Titular da Escola Politécnica da USP

Alessandro La Neve - Professor Titular e Secretário Geral do Centro Universitário da FEI - São Paulo, SP

Wagner Waneck Martins - Professor Titular da Escola Politécnica da USP e Engenheiro aposentado do EX-FEPASA - São Paulo, SP

Carlos Alberto Maziero - Professor titular e pesquisador em segurança de sistemas, Pontifícia Universidade Católica do Paraná - Curitiba, PR

Rui Cerqueira - Professor Titular Departamento de Ecologia Instituto de Biologia Universidade Federal do Rio de Janeiro - Rio de Janeiro, RJ

Claudio Thomás Bornstein - Professor Titular, COPPE/UFRJ - Rio de Janeiro, RJ

Wilhelmus Van Noije - Professor Titular da Escola Politécnica da USP - S. Paulo, SP

Yuda Dawid Goldman Vel Lejbman - Professor Titular do Instituto de Física da USP - S. Paulo, Paulo, Paulo, SP

Horácio Ortiz - Engenheiro, ex-Deputado Federal, ex-Secretário dos Transportes - São Paulo, SP

José Roberto Faria Lima - Ex-Deputado Fed., Coorden. da implante. do PRODASEN, Ex-Presidindo. da PRODAM - São Paulo, SP (É PRECISO GARANTIR NOSSA DEMOCRACIA E NÃO SUCUMBIR A UM ESTELIONATO DIGITAL)

Pedro Porfírio - Vereador do Rio de Janeiro - Rio de Janeiro, RJ

Herman Nébias Barreto - Diretor da Faculd. de Ciências Jurídicas de Diamantina - UEMG - Diamantina, MG

Luzia Portinari Greggio - Socióloga - Ex-presidente da APPD- Associação dos Profissionais de Processamento de Dados - São Paulo, SP

João José Neto - Professor Adjunto da Escola Politécnica da USP - Depto. de Computação e Sistemas Digitais - São Paulo, SP

Weber Figueiredo - Eng. Eletrônico, M.Sc., Professor em Engenharia da UERG e CEFET-RJ - R. de Janeiro, RJ

Geraldo Francisco Burani - Diretor do Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP - São Paulo, SP

Francisco José Duarte de Santana - Engenheiro Eletricista e Professor Adjunto do Instituto de Física da UFBA - Universidade Federal da Bahia - Salvador, BA

José Guilherme Lima - Professor Assistente Visitante, Depto. Física, Universidade do Norte de Illinois (EUA), e Ex-Prof. Adjunto, Inst. Fisica, UERJ

Carlos Augusto Cavalcanti de Lima - Professor adjunto do Depto de Informática da UFRN - Natal, RN

Geraldo Xexeo - Professor Adj. do Deputação da UFRJ, Doutor em Eng. de Sistemas e Computação (COPPE/94), Eng. Eletrônico IME-88 - Rio de Janeiro, RJ

Orfeu Bertolami - Professor Associado com Agregação, Departamento de Física, Instituto Superior Técnico, Lisboa - Parede, Portugal

Jorge Henrique Cabral Fernandes - Prof. Adjunto I - Partir. de Informát. e Matem. Aplicada-UFRN - Natal, RN

Nice Naria Americana da Costa - Diretor do Instituto de Física da UFBA e Prof. Adjunta - Salvador, BA

Ulisses Corrêa de Oliveira Filho - Prof. Adjunto IV , Universidade Federal do Rio Grande do Norte - Natal, RN

João Meidanis - Diretor-Presidente da Scylla Bioinformática e Prof. Adj. do Instit. de Computação. da UNICAMP - SP

Regina Lúcia Quintanilha de Lima - Professora Adjunta, da Universid. Federal Fluminense (UFF) - Niterói, RJ

Helena Cristina da Gama Leitão - Professora Adjunta do Depto. de Ciência da Computação da Universidade Federal Fluminense - UFF - Rio de Janeiro, RJ

Felipe Maia Galvão França - Professor Adjunto, Programa de Engenharia de Sistemas e Computação, COPPE, Universidade Federal do Rio de Janeiro - Niterói, RJ

Maximus Santiago - Professor Adjunto-IV; Faculdade de Medicina da UFF - Niterói, RJ

Wagner de Paula Carvalho - Prof. Adjunto, Inst. de Física da UERJ - Rio de Janeiro, RJ

Edson Benigno - Professor Adjunto - Depto. de Análise Geoambiental - UFF - Niterói, RJ

Roberto Ierusalimschy - Professor Associado, PUC-Rio - Rio de Janeiro, RJ

Guido Araújo - Professor Associado do Insituto de Computação da UNICAMP - Campinas, SP

Fábio Cozman - Professor Associado, Universidade de São Paulo - Santos, SP

Júlio César Sampaio do Prado Leite - Prof. Associado, PUC-Rio - Rio de Janeiro, RJ

Jaime Simão Sichman - Professor Associado do Depto. Eng. Computação e Sistemas Digitais da Escola Politécnica da USP - São Paulo, SP

Arnaldo Mandel - Professor associado do Departamento de Ciência da Computação do Instituto de Matemática e Estatística da USP - São Paulo, SP

Neucimar J. Leite - Professor Associado do Instituto de Computação - UNICAMP - Campinas, SP

Carlos Eduardo Cugnasca - Professor Associado da Escola Politécnica da USP - São Paulo, SP

Pedro Luís Próspero Sanchez - Professor Associado da Escola Politécnica da USP - São Paulo, SP

Flávio Ciparrone - Prof. Livre Docente da Escola Politécnica da USP - São Paulo, SP

Maria Helena Baena de Moraes Lopes - Professora Associada do Departamento de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP - Campinas, SP

Marco Túlio Carvalho de Andrade - Professor Associado da Escola Politécnica da USP - São Paulo, SP

José Jaime da Cruz - Professor Associado, Escola Politécnica da USP - São Paulo, SP

Ademar Ferreira - Professor Associado USP - São Paulo, SP

Carlos Eduardo Cugnasca - Professor Associado da Escola Politécnica da USP - São Paulo, SP

Jorge Rady de Almeida Júnior - Prof. Livre Docente da Escola Politécnica da USP - São Paulo, SP

Paul Jean Etienne Jeszensky - Professor Associado da EPUSP - São Paulo, SP

Anna Helena Reali Costa - Prof. Associado, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo-S.Paulo, SP

João Batista Camargo Júnior - Professor Associado do Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais da POLI - São Paulo, SP

Adriano de Oliveira Sousa - Físico, Pós-doc no Instituto de Aplicações Computacionais da Universidade de Stuttgart - Tuebingen, Alemanha

Maria Luiza de Carvalho Armando - Professora Doutora - Universidade Federal do RGS (aposentada) e Universidade de Buenos Aires (designada pelo Itamaraty) - Buenos Aires, Argentina

José Augusto Suruagy Monteiro - PhD em Ciência da Computação, Coordenador do Mestrado Profissional em Redes de Computadores da Universidade Salvador - Salvador, BA

Guilherme Dhein - Coordenador do Curso de Ciência da Computação da UNIFRA - Santa Maria, RS

Miguel Jonathan - Chefe do Departamento de Ciência da Computação - IM/UFRJ - Rio de Janeiro, RJ”

(Republicado em maio/2022)

OCULTAÇÃO DO CORPO

DE DELITO DIGITAL

 

FAZER ELEIÇÕES DIGITAIS SEM REGISTRAR VOTOS FISICAMENTE É COMO AUTORIZAR A CREMAÇÃO DOS CORPOS DE VÍTIMAS DE MORTE A ESCLARECER, ANTES DE EFETUAR AUTÓPSIAS.

EM CASO DE DÚVIDA, O ESCRUTÍNIO DIGITAL ACABARIA POR EIVAR DE SUSPEIÇÃO TODO O PROCESSO DEMOCRÁTICO.

Caso ocorram fundadas suspeitas de fraude eleitoral antes, durante ou depois da votação infrormatizada, o voto impresso equivaleria à preservação de um  corpo de delito. Em caso de dúvida, constituiria a maneira correta e insofismável de comprovar ou negar a legitimidade da votação coletada. É o único meio pelo qual se pode embasar uma recontagem de votos confiável. Ou seja: sem registro físico do voto para conferência pelo próprio eleitor no ato de votar ou para recontagens e comparações posteriores NENHUMA AUDITORIA É CONFIÁVEL, conforme afirmou no Plenário do STF o professor de Direito e representante do Sindicato Nacional dos Peritos Criminais da Polícia Federal, advogado Alberto Emanuel Albertin Malta em coro com outras entidades especializadas em cibersegurança 

A impressão do voto auditável configura também a ferramenta material com a qual se pode controlar os controladores do pleito cibernético e, assim, garantir a segurança das informações computadas. Preservar essa prova é fundamental para comprovar a materialidade do crime, caso ele aconteça, assim como para inculpar quem o tenha cometido.

Antônio Aggio Jr. - Maio/2022

TSE TEIMA EM MINIMIZAR

A IMPORTÂNCIA

DO VOTO AUDITÁVEL

Em ofício enviado ao TSE dia 5 deste mês, o ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira, pedIu que a corte divulgasse, em conjunto com esse Ministério,  as sugestões e os questionamentos das Forças Armadas sobre as eleições, o que não foi feito até hoje. 

As colocações feitas pelos militares coincidem com a opinião   do  presidente da República, Jair Messias Bolsonaro,  e dos peritos criminais da Polícia  Federal, que  examinaram as urnas e apontaram falhas e  deficiências como as denunciadas por este  O JORNAL desde setembro de 2003, com o objetivo de alertar a Justiça Eleitoral e a  população sobre a insegurança de urnas eletrônicas desprovidas da impressão de voto auditável. Isto porque, na calada da noite,  naquela época, um grupo de 16 senadores encabeçados pelo ex-governador mineiro Eduardo Azeredo, a mando do então presidente Lula (PT) e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), havia retirado do Código Eleitoral a obrigatoriedade da impressão do voto auditável.

No ofício endereçado a Edson Fachin, presidente do TSE, o ministro da Defesa argumenta que é preciso dar “maior transparência e segurança ao processo eleitoral” e “estimular o debate entre a sociedade acerca do aperfeiçoamento” do sistema.

“Com a finalidade de cumprir a obrigação legal e de conferir a maior transparência possível aos atos da gestão pública e em face da impossibilidade de ver concretizada a reunião solicitada por este Ministro a Vossa Excelência, venho, por meio deste expediente, propor a esse tribunal que os documentos ostensivos relacionados à CTE [Comissão de Transparência do TSE] sejam amplamente divulgados, conjuntamente, pelo Ministério da Defesa e por essa Corte Eleitoral, haja visto o amplo interesse público no tema em questão.”

Pouco antes,Fachin dissera, durante sessão do TSE, que “a Justiça Eleitoral não medirá esforços para realizar eleições limpas, transparentes, com paz e segurança e diplomar os eleitos”.

ENTRETANTO, O RISCO CONTINUA

Mas, enquanto isso acontecia, alcançava grande repercussão na Internet um vídeo  publicado pelo aplicativo TIK TOK, mostrando a sessão plenária do Supremo Tribunal Federal – STF, na qual o representante do Sindicato Nacional dos Peritos Criminais do Departamento de Polícia Federal, advogado Alberto Emanuel Albertin Malta –  Professor de Direito da Universidade de Brasília (UnB), Mestre em Direito, Estado e Constituição pela mesma universidade, Presidente da Comissão de Direito Imobiliário da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional do Distrito Federal.  Pós-graduado em Direito Imobiliário pelo Instituto Brasiliense de Direito Público - IDP e Pós-graduado/Master of Business Administration pela Fundação Getulio Vargas - MBA/FGV  –,  revelou que os participantes daquela Comissão de Transparência do TSE haviam descoberto gritantes falhas e deficiências nas urnas às quais a Justiça Eleitoral não  deu a necessária divulgação. Por exemplo, disse  ele:  "os especialistas conseguiram produzir falsos boletins de votação, obtiveram a chave criptográfica da urna, conseguiram recuperar a ordem dos registros digitais o que destrói o sigilo do voto e permite identificar em quem cada eleitor votou" etc. Além do mais,  aquele representante dos peritos criminais federais afirmou que o Brasil é o último país que ainda adota o atual sistema de votação eletrônica que não imprime o voto auditável, sem o qual nenhuma auditoria é confiável. E apontou, a título de exemplo, Alemanha, Bélgica, Holanda, Irlanda, Inglaterra, Índia, Canadá, Rússia, Estados Unidos e México, que "já abandonaram o nosso sistema porque não imprime voto auditável."

E enfatizou:

" O que se está a dizer aqui é que a democracia de um país não pode estar sujeita ao controle de alguns poucos técnicos que têm acesso ao código-fonte e também às chaves criptográficas. É necessário haver um controle do controlador. Garantir a auditoria ao próprio sistema eletrônico que se pretende ver se está sendo fraudado ou não é garantir ao fraudador fraudar a própria auditoria. Então, a impressão do voto permitirá que, em eventual situação de dúvida sobre a higidez do processo de escrutínio, possa haver efetivamente uma auditoria."

ASSISTA A ESSE VÍDEO, CLICANDO AQUI

Antônio Aggio Jr. - Maio/2022

APCF EMITE NOTA E

DEFENDE O SISTEMA

Tornando ainda mais confusos os debates sobre nosso Sistema Eleitoral, a  Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais emitiu nota oficial  para contradizer aquele Sindicato Nacional dos Peritos Criminais Federais nos seguintes termos:

"Em relação às discussões sobre o sistema eleitoral brasileiro, especialmente com menção aos Peritos Criminais Federais, que integram a Polícia Federal, a Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF) esclarece que:

"Os peritos criminais federais, assim como diversos outros especialistas de instituições renomadas, têm participado de testes públicos de segurança promovidos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e abertos a qualquer cidadão, cujo objetivo é buscar o contínuo aperfeiçoamento das urnas eletrônicas.

"A identificação de falhas e vulnerabilidades não permite afirmar que houve, há ou haverá fraudes nas eleições. Os achados dos testes, ao contrário de comprovar fraudes, têm o propósito de apontar ajustes e aperfeiçoamentos necessários para a continuidade do curso normal das eleições, além de tecer recomendações científicas para a evolução e aprimoramento do sistema eleitoral brasileiro.

"Até o momento, não foi apresentada qualquer evidência de fraudes em eleições brasileiras. Destaca-se que uma eventual comprovação de fraude não estaria restrita unicamente à análise das urnas, mas também de outros elementos probatórios, como transferências de ativos, de mensagens, de imagens, de áudios e de documentos que possam demonstrar o engajamento efetivo de pessoas com a intenção de prejudicar o processo eleitoral.

"A APCF defende a urna eletrônica e reconhece que se trata de um exitoso projeto de hardware e de software. Sem prejuízo disso, com o espírito colaborativo de buscar auxiliar as autoridades competentes dentro das bases científicas que regem as ações da Perícia Criminal Federal, também entendemos que o emprego de sistema analógico complementar, e sem qualquer contato físico com o eleitor, é uma opção a mais de auditoria e de aprimoramento do processo eleitoral. Esses fundamentos foram levados ao STF no julgamento da constitucionalidade da matéria, sempre enfatizando, contudo, não haver qualquer apresentação de evidência ou comprovação de fraude.

"Entendemos que o tema do registro impresso exige um debate longo, maduro e científico, sem descontextualizações que objetivem sustentar teorias não comprovadas. Ressaltamos, por fim, nossa confiança no processo eleitoral, tendo a certeza de que o voto eletrônico trouxe importantes avanços, dentre eles o afastamento dos riscos decorrentes do voto em cédula."

(Maio/2022)

SOCORRO! SOCORRO!

O BRASIL PEDE SOCORRO!

O atual Supremo Tribunal Federal -STF e seu apenso, o Tribunal Superior Eleitoral - TSE, cujos integrantes não passaram pelo crivo do voto popular, estão arrastando nosso País de volta às trevas da "justiça" medieval.

Rasgaram a Constituição!

Cuspiram no ordenamento jurídico pátrio!

impingiram um arremedo de ditadura caricata ao usurparem prerrogativas legais reservadas exclusivamente aos outros Poderes da República.

E DÃO SUPORTE A UM TIRANO DE ARRABALDE que usa e abusa do espírito de corpo insano presente em ambos os tribunais, que, na verdade, são um só.

Por isso, O BRASIL CLAMA POR AJUDA!

ALGUÉM NOS ACUDA,

POIS TUDO ESTÁ ACONTECENDO DEVIDO À COVARDIA DAS DUAS CASAS DO CONGRESSO NACIONAL -  CÂMARA DOS DEPUTADOS E SENADO FEDERAL!

SOCORRO! SOCORRO!

A última muralha diante da sanha dos traidores da Pátria é o governo do Presidente JAÍR MESSIAS BOLSONARO. Mas, até essa barreira pode ruir  em outubro próximo, num passe de mágica representado pelo voto eletrônico fisicamente não auditável. Por isso, 

SOCORRO! 

SOCORRO!

O BRASIL PEDE SOCORRO!

 Antonio Aggio Jr.

Jornalista profissional desde 1954.

Texto publicado em 25/04/2022.

ELEIÇÃO SEM VOTO IMPRESSO AUDITÁVEL É EUFEMISMO PARA FRAUDE ELEITORAL

A obrigatoriedade de impressão do voto auditável foi escamoteada do Código Eleitoral Brasileiro na calada da noite por um grupo de 16 senadores à revelia do Plenário do Senado, em 2003, sob a liderança do então também senador e ex-governador de Minas Gerais EDUARDO AZEREDO (PSDB), às ordens do então presidente LULA (PT) e do ex-presidente FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (PSDB). 

Posteriormente, AZEREDO foi condenado pela Justiça mineira, em 1ª e 2ª instâncias, a 20 anos e 10 meses de prisão por peculato e lavagem de dinheiro devido ao escândalo conhecido como "Mensalão Tucano". Esteve foragido, mas foi capturado e encarcerado.

LEIA A VERDADE SOBRE AS URNAS ELETRÔNICAS, CLICANDO NESTE LINK

Antonio Aggio Jr.- Outubro de 2021    

Autobiografia

UM  CARONA  NO

BONDE  DA HISTÓRIA

Leia o e-Book clicando aqui

Veja fotos antigas clicando aqui

ou veja as fotos de solenidades aqui

 

Dois erros básicos da

REVOLUÇÃO DE 1964

A Revolução de 31 de Março de 1964 cometeu dois erros básicos, que repercutem até hoje e sacrificam a sociedade brasileira diante da sanha de muitos políticos corruptos e despudorados e da ação de uma parcela de imprensa doentia e suicida.Tais erros são:

 1    - Nos atos institucionais de cassação de direitos políticos, não se distinguiu quem estava tendo direitos políticos cassados por corrupção e quais cassações  ocorriam devido a atividades insurrecionais e subversivas. Assim, muitos ladrões de dinheiro público conseguiram posar de heróis apesar de não passarem de meliantes da pior espécie, merecedores de ficar atrás das grades desde aquela época.

2    –  O segundo erro básico da Revolução de 1964 originou-se da afoiteza de alguns integrantes do  Corpo Permanente da Escola Superior de Guerra em instituir a obrigatoriedade do Diploma de Bacharel em Jornalismo para o exercício da profissão de jornalista. O objetivo da ESG era o de forçar o aprimoramento intelectual das futuras gerações de jornalistas. Mas, imediatamente, militantes comunistas travestidos de “professores universitários” transformaram estabelecimentos de ensino superior em autênticas “caixas de  Skinner” no melhor estilo preconizado por Vladimir Ilich Ulianov (“Lenin”) e Antonio Sebastiano Francesco Gramsci. Assim, tais faculdades vêm condicionando o comportamento de futuros profissionais de imprensa que, em seguida à formatura, transformam redações de jornais, revistas , rádios e TVs em órgãos apoiadores das teses e ações comuno-socialistas.

Pode-se agora, periodicamente, observar como os detentores dessa máquina condicionadora de reflexos ao estilo Yuri Pavlov podem aquilatar os efeitos práticos da lavagem cerebral, que aplicam nos alunos. Um exemplo comum é a substituição de palavras e expressões de uso corriqueiro por outras, que passam a ser modismo de uso coletivo obrigatório (ex.:  a substituição da palavra como pelo vocábulo enquantoenquanto ministro, enquanto presidente, enquanto professor ao invés de como ministro, como presidente, como professor etc.; a substituição das expressões por causa de, devido a, em função de pela expressão por conta de).

Autor:  Antonio Aggio Jr.

(Jornalista profissional desde 1954).

Texto publicado em 02/04/2022.

UMA IMPRENSA DESACREDITADA

Como podemos acreditar e confiar numa imprensa que chama os ladrões e os assassinos de “SUSPEITOS” enquanto os exibe, em filmes e fotos, no momento em que assaltam e matam suas vítimas?

Ou se trata de covardia, ou de pura burrice e ambas são deformidades psicológicas incompatíveis com o exercício do Jornalismo profissional.

Antonio Aggio Jr - 24/03/2022

 

PROTEÇÃO AO NEONAZISMO UCRANIANO

A “grande” imprensa brasileira está escondendo o fato de que o Exército russo concentrou sua fúria na cidade de Mariupol porque ali funcionavam os quartéis generais das principais  milícias neonazistas ucranianas , entre elas a Unidade de Operações Especiais Azov (antigo Batalhão integrado à Guarda Nacional e subordinado ao Ministério do Interior).

Seria para não revelar que essa organização se assemelha em tudo à antiga Waffen-SS  de Adolf Hitler e do Partido dos Trabalhadores Alemães (nome original do Partido Nazista)?

Ou seria para não informar que essa Unidade de Operações Especiais , como a antiga SS hitleriana, possui poderoso armamento próprio, inclusive tanques de guerra e artilharia?  

Foi em Mariupol que,  no ataque russo de 15 de março de 2022,  pereceu o fundador daquela e de outras organizações neonazistas, Nikolai Kravchenko. Essa  notícia foi confirmada pelo atual comandante da Unidade de Operações Especiais Azov, Andrei Biletsky.

Antonio Aggio Jr - 24/03/2022

 

RÚSSIA E UCRÂNIA ESTÃO

EM GUERRA DESDE 2014

Antônio AGGIO Jr. – 20/03/2022

 (Principais fontes de informação consultadas:

Wikipédia e Deutsche Welle-DW)

 

Na realidade, a Ucrânia e a Rússia estão em guerra (embora não declarada) desde 2014, quando, graças às facilidades ali encontradas, meonazistas europeus  agruparam-se na cidade de Berdyansk para apoiar o Exército ucraniano na luta contra os separatistas pró-Rússia no leste do país. Criaram uma organização autodenominada Batalhão Azov , que cresceu e acabou implantando na Ucrânia  seu  centro mundial de atração e doutrinação nazifascista.

 

Oficialmente reconhecido com status de Regimento e, em seguida, com o título de Unidade de Operações Especiais Azov, o grupo passou a compor a Guarda Nacional da Ucrânia e ficou subordinado ao Ministério do Interior. Participa da Guerra em Donbas desde o seu início.

 

 A Guerra de  Donbass (ou Donbas), também referida como Guerra do Leste da Ucrânia, é o conflito armado que já estava em pleno andamento na região da Bacia do Donets (abreviadamente, Donbas ou Donbass), na Ucrânia, antes do atual ataque da Russia ao território e à população desse país.

 

Desde março de 2014, na sequência da Revolução Ucraniana de 2014 e do movimento Euromaidan. manifestações de grupos pró-russos e antigoverno repetiram-se nos “oblasts” de Donetsk e Luhansk, que formam a região da Bacia do Rio Donets. Daí, se transformaram no confronto armado que começou  em parte do território ucraniano objeto de diversos protestos pró-russos e espalhou-se por todo o  sul e o leste da Ucrânia. Trata-se de autêntica  guerra entre as forças separatistas das autodeclaradas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk e o governo ucraniano.

 

O grupo  Azov, semelhante às tropas SS de Adolf Hitler, possui poderoso armamento próprio, inclusive veículos blindados e artilharia. Atua principalmente através de sua organização paramilitar chamada Milícia Nacional e de sua ala política de extrema direita denominada Corpo Nacional.  Destaca-se pelo recrutamento de combatentes estrangeiros nos EUA e Europa, bem como por possuir extensos laços transnacionais com organizações congêneres.

 

Relatórios publicados pelo Escritório do Alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH ) conectaram o Batalhão a violações de Direitos Humanos e crimes de guerra.  Além disso, no contexto da Guerra do Leste da Ucrânia, esses neonazistas são acusados de envolvimento em vários casos de abusos de Direitos Humanos e  de torturas, estupros, saques, “limpeza étnica” e perseguição de minorias como homossexuais, judeus e russos.

 

Quando pleiteou  o ingresso da Ucrânia na Organização do Tratado do Atlantico Norte-OTAN e na União Europeia-UE, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, estava tentando transferir integralmente  a Guerra do Leste Ucraciano para os países europeus e os Estados Unidos da América.

 

O Batalhão Azov ganhou mais destaque ao lutar agora contra o Exército da Rússia em Kiev, Kharkiv e Mariupol. Tinha seu Quartel General instalado e funcionando  em Mariupol, o que atraiu os mais ferozes  ataques do Exército russo e resultou na completa destruição da cidade.

Foi em Mariupol que,  no ataque russo de 15 de março de 2022,  pereceu o fundador daquela e de outras organizações neonazistas, Nikolai Kravchenko. Essa  notícia foi confirmada pelo atual comandante da Unidade de Operações Especiais Azov, Andrei Biletsky.

 

  Distintivo do Batalhão Azov:  

WOLFSANGEL (ANJO-LOBO), o mesmo que era usado pelas Waffen-SS de Adolf Hitler e pelo Partido dos Trabalhadores Alemães (nome original do Partido Nazista).

Fundação: 5 de maio de 2014.

Ideologia: Neofascismo, Russobia, Neonazismo.

Objetivo inicial: recapturar a região ucraniana de Donbas das forças separatistas pró-Rússia.

 

A Guerra do Leste Ucraniano ou Guerra de Donbas desenvolve-se desde março de 2014, após manifestações de grupos pró-russos e antigoverno ocorrerem, na sequência da Revolução Ucraniana de 2014 e do movimento Euromaidan nos “oblasts” de Donetsk e Luhansk, integrantes da região da Bacia do Rio Donets,. Esse confronto  armado estende-se a todo o sul e leste da Ucrânia. Desenvolve-se entre as forças separatistas das autodeclaradas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk e o governo ucraniano. Os separatistas são amplamente liderados por cidadãos russos. Paramilitares voluntários russos constituem de 10% a mais de 50% dos combatentes.

Recorda-se que, durante a II Guerra Mundial, milhares de cidadãos ucranianos e de outros países de etnia eslava foram cooptados e  empregados pelas tropas alemãs como carcereiros e guardas dos campos de concentração e  extermínio  (Auschwitz, Dachau,Buchenwald etc.), onde câmaras de gás e fornos crematórios funcionavam durante as 24 horas de cada dia. A insensibilidade e brutalidade desses  indivíduos eram admiradas pelos nazistas.  Chamados de “capos” também tomavam conta de cárceres  mantidos pela Gestapo em cidades alemãs e países  ocupados.

 

UMA CRONOLOGIA

PARA O FIM DO MUNDO

Antônio Aggio Jr. - 10/03/2022

Daqui a algum tempo, se até lá ainda estiver em curso, a História terá registrado os seguintes fatos:

No início do Segundo Milênio DC, princípio do Século XXI, 73% dos eleitores de um país de origem eslava,  chamado Ucrânia, localizado sobre a faixa de encontro continental entre Europa e Ásia e com mais de 40 milhões de habitantes, elegeram para  Presidente da República o comediante profissional Volodymyr Zelensky, animador de programas de TV e sem nenhuma experiência política anterior.

Assim, da noite para o dia, um palhaço  profissional torrnou-se senhor de um arsenal atômico suficiente para exterminar a humanidade mais de uma vez.

Logo após assumir tais atribuições,  Zelensky correu a  oferecer esse poderio  bélico à Organização do Tratado do Atlântico Norte - OTAN, instituição militar  que aliava  diversos países europeus,  alguns tidos como politicamente hostis entre sí, mas todos notoriamente inimigos da maior potência nuclear mundial da época, chamada Russia, esta ligada geográfica e historicamente à Ucrânia.

De nada valeram apelos, avisos e ameaças para que o  palhaço-presidente desistisse de ingressar na OTAN e daqueles intentos. No final, isso desembocou  em guerra convencional localizada, porém, nunca declarada, na qual as Forças Armadas russas, dez vezes mais poderosas do que as ucranianas, atacaram o  território e a população da Ucrânia. Então, o  palhaço-presidente valeu-se de uma imensa máquina de propaganda internacional para atribuir aos russos muitos dos erros que, na verdade, ele mesmo havia cometido, inclusive o de impedir a fuga em massa de sua população logo no início dos combates.

Nenhuma nação acolheu os pedidos  de Volodymyr Zelensky para enviar tropas em seu apoio, por temer envolver-se diretamente na guerra e provocar a ampliação do conflito. Mas, os Estados Unidos da América (USA), país mais rico do mundo, inimigo da Russia e líder da OTAN  passaram a financiar oficialmente os esforços de guerra ucranianos. Tanto que, no dia 9 de março de 2022, doaram  ao governo da Ucrânia a importância de US$ 38 bilhões, equivalente a mais da metade do  orçamento militar da Rússia para todo aquele ano (aproximadamente US$ 60 bilhões).

Entretanto, não satisfeito e ainda apoiado em  ampla propaganda internacional,  Volodymyr Zelensky pressionou a OTAN até conseguir fazê-la proibir os aviões russos de sobrevoarem o território ucraniano.   assim foi, até o dia em que uma aeronave russa desrespeitou a proibição e foi abatida pela OTAN. Daí, o conflito ampliou-se  fulminantemente. Tornou-se atômico  e transformou-se na  Terceira Guerra Mundial, a última...

 

A FINALIDADE DOS ESTADOS  

 O único objetivo capaz de justificar a existência de um Estado e legitimar seus representantes ou mandatários é garantir bem-estar a seu povo.

O amor sempre unirá as pessoas que os Estados separem. Porque  

DEUS É O AMOR.

 POR QUE NÃO, SR. PRESIDENTE?

 

Antônio Aggio Jr. (*)

em 12/05/2020.

 Sr. Presidente JAIR MESSIAS BOLSONARO

 Por que não acatar o clamor dos cientistas brasileiros infensos à  campanha fratricida, agora encetada pelos adeptos do chamado “socialismo científico”, a mesma ideologia que manteve a Alemanha Oriental sob jugo comunista até a derrubada do Muro de Berlim?

Será que aqueles pesquisadores perderam  tempo inutilmente na busca de remédio para a Covid-19, moléstia provinda de território também dominado despoticamente por aquela ideologia? Ou –  o que soaria ainda pior – algum dos questionamentos feitos naquele documento  seria irrespondível?

Ontem à tarde, em entrevista coletiva, o ministro da Saúde, dr. Nélson Teich, anunciou nova diretriz para o início de tratamento da Covide-19 logo nos primeiros sintomas. Entretanto, ao responder sobre o estágio atual das pesquisas, não fez qualquer referência à Hidroxidocloroquina. Limitou-se a mencionar a droga estrangeira REMDESEVIR como única a apresentar bons resultados.

Ao observar essa estranhável cena, ocorreu-me um pensamento maroto. Trechos do antigo filme A Múmia vieram-me à mente a lembrar que lugar de múmia é sarcófago.

Reproduzimos abaixo a Carta subscrita por dezenas de cientistas, acadêmicos e médicos que orgulham nosso País, mas parecem despercebidos aos olhos do Governo:  

(*) O autor é jornalista profissional desde 1954.

 

Hidroxidocloroquina X COVID-19

 

CIENTISTAS BRASILEIROS ACONSELHAM

USO DESDE O INÍCIO DOS SINTOMAS

O site BRASIL SEM MEDO publicou Carta Aberta dirigida ao presidente Jair Messias Bolsonaro por cientistas brasileiros que já haviam alertado inutilmente  o Ministério da Saúde para a necessidade de usar a combinação de Hidroxidocloroquina com Azitromicina  logo no início dos sintomas a fim de obter sucesso no combate ao novo Coronavirus e assim salvar milhares de vidas. Entretanto, devido principalmente à inércia do então ministro Mandetta e seus auxiliares, essas vidas acabaram perdidas. 

Também ao site BRASIL SEM MEDO o virologista Paolo Zanotto,  professor do Dep. de Microbiologia da UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO-USP,  e doutor pela Universidade de Oxford, já havia concedido entrevista sobre o mesmo fato e alertado para o terrorismo ideológico que continua em franco desenvolvimento. Essa entrevista está reproduzida AQUI.

Eis a seguir a íntegra daquela Carta Aberta:

Carta Aberta ao Presidente da República

(Documento publicado no site Brasil Sem Medo,

em 6 de Maio de 2020)

Clamor de cientistas e acadêmicos brasileiros ao Presidente Jair Messias Bolsonaro em defesa do uso PRECOCE da hidroxicloroquina em pacientes de Covid-19 

Prezado Presidente,

É chegada a hora da HIDROXICLOROQUINA! 

Errar é humano, Sr. Presidente, mas persistir no erro é falta de sabedoria.
 
Há três semanas escrevemos uma carta ao ex-ministro da Saúde, Dr. Mandetta, sobre os estudos, bastante robustos, e nossa posição favorável ao uso PRECOCE da HIDROXICLOROQUINA (HCQ) para os pacientes de Covid-19. Infelizmente, o ex-ministro hesitou, nada fez, e vidas podem ter sido perdidas.
 
Um novo ministro, Dr. Nelson Teich, assumiu e estávamos otimistas, mas hoje estamos perplexos, porque ele também hesita. Ele diz "ainda não", e espera mais estudos, alguns que testam a droga na fase mais avançada da doença, em que, sabemos, ela pouco ajuda, e menciona estudos anteriores com doses incorretas.
 
João 8, 32 é, Sr. Presidente, o seu lema: "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará".
 
Hoje, Sr. Presidente, conhecemos ainda melhor a verdade sobre a HCQ. E essa verdade nos deixa livres de receios ou de medos de efeitos colaterais, e permite que digamos com mais determinação ainda que é hora de agir, e rápido! 

Nestas últimas três semanas, a verdade sobre a eficácia da HCQ ficou ainda mais clara: o estudo da Prevent Senior (não publicado ainda) se soma agora ao do francês Dr. Didier Raoult com 1.061 pacientes, que acaba de ser publicado (no prelo) em uma revista médica internacional. Os resultados são inquestionáveis! A droga funciona! Quando a HCQ É ADMINISTRADA NA DOSAGEM CERTA, E NA HORA CERTA, PRECOCEMENTE, SALVA VIDAS, E MUITAS! Se salvasse somente uma, já valeria a pena, Sr. Presidente, pois a Palavra é clara em nos mostrar que "uma vida vale mais do que o mundo todo". Mas a HCQ salvou, salva e salvará muitas vidas!

E mais: a Costa Rica utiliza a HCQ, até preventivamente, com excelentes resultados, até hoje com somente 6 mortes. Portugal usa a HCQ desde o início da pandemia, precocemente. A Itália, ainda que tardiamente, não persistiu no erro e começa a usar a HCQ, também precocemente. A Índia, a Turquia e o Senegal também a usam, com taxas de letalidade para casos reportados bem menores, abaixo de 1%. A Argélia passou recentemente a usar a HCQ, e houve uma queda acentuada de mortes.
 
E mais: a droga é barata, sem patente e é fabricada por laboratórios no Brasil e pelo Exército Brasileiro. Será que estão menosprezando a HCQ só para gastar fortunas com outras drogas mais caras, como o favipiravir e o rendesivir ou alguma outra, igualmente caríssima, como alertou recentemente o virologista brasileiro Dr. Paolo Zanotto (pesquisador da Universidade de São Paulo com 7 mil citações) em seu manifesto "Clamor de um Cientista Brasileiro"? 

Sr. Presidente, falo em nome de um grupo de centenas de acadêmicos brasileiros, os Docentes pela Liberdade, alguns deles subscrevem essa carta, muitos mais o fariam se tempo maior tivéssemos, mas o vírus não espera, e temos entre nós muitos médicos que estão nas trincheiras do campo de batalha. Se é ciência que querem, somos ciência com conhecimento teórico e prático do combate, em número e qualidade! E não hesitamos em afirmar:
 
HIDROXICLOROQUINA JÁ, E PRECOCEMENTE, POIS É URGENTE!

Por que não, Sr. Presidente? Por que não? Essa é a pergunta que muitos pelo Brasil fazem, que não quer calar. Se não agirmos, essa pergunta terá, um dia, que ser respondida. Nos nossos tribunais, ou no tribunal divino!

Sr. Presidente, aos temorosos, a história reserva o ostracismo. Aos valentes, a honra! Pois é bíblico: "a quem honra, honra!" Ontem circulou um vídeo, emblemático. Em uma rua da Versailles, na França, um novo herói francês foi aclamado. Os franceses bradaram:
Bravo, Bravo, Bravo! "Merci beaucoup" Didie Raoult, que Deus te recompense pelas vidas que salvou, que tem salvo!

Sr. Presidente, milhões de brasileiros esperam sua decisão. Oriente quem sob sua autoridade trabalha, arregimente médicos de coragem, drible com sua maestria os impedimentos, monte centros de distribuição, enfim, faça o que for possível.
 
Presidente, uma sugestão: Inicie pelos estados do Amazonas, Pará e Ceará, onde a situação é mais crítica. Há HCQ suficiente para eles, e o Conselho Regional de Medicina do Amazonas e a Secretaria de Saúde do Pará já recomendam o uso precoce de HCQ.

Falta o respaldo jurídico do MS e o envio da droga. Funcionando lá, e funcionará, expanda para salvar vidas pelo Brasil todo!
Deus lhe deu uma missão, Sr. Presidente, e estará contigo; Ele e o povo Brasileiro. Que sua ação e orientação e a HIDROXICLOROQUINA salvem muitas vidas! Essa é a nossa esperança, e a Deus, acima de tudo e de todos, a nossa oração!

Marcos Eberlin
Email: mneberlin@gmail.com

Marcos N. Eberlin, Univ. Presbiteriana Mackenzie, 24,9 mil citações
Rodrigo De Lamare, PUC-RJ, 11,3 mil citações
Carlos Adriano Ferraz, UFPel, 8,7 mil citações
Marcelo Hermes-Lima, UnB, 6,3 mil citações
Amilcar Baiardi, Univ. Católica de Salvador, 2,4 mil citações
Rui Seabra Ferreira Junior, UNESP, 1,3 mil citações
Ronaldo Angelini, UFRN, 660 citações
Leonardo Vizeu Figueiredo, UFF, 280 citações
Carlos Prudêncio, Instituto Adolfo Lutz, 220 citações
Laércio Fidelis Dias, UNESP, 120 citações
Luis I.B. Kanzaki, virologista, UnB 
Rogério Panhoca, médico, CRM 61.547 SP 
Luciano Azevedo, médico, CRM 104.119 SP
(Os pesquisadores que assinam a carta somam mais de 56 mil citações.)

TERRORISTAS ASSASSINOS 

ESTÃO SABOTANDO A CURA

POR  AÇÃO OU OMISSÃO, DIFICULTAM O COMBATE À COVID-19 ATRAVÉS DA COMBINAÇÃO HIDROXICLOROQUINA-AZITROMICINA-ZINCO, EM QUANTIDADES E INTERVALOS CORRETOS, DESDE OS SINTOMAS INICIAIS E COM AS CAUTELAS FIXADAS NOS PROTOCOLOS CLÍNICOS SEGUIDOS COM SUCESSO AO REDOR DO MUNDO

A.A.Jr.  -  06/04/2020

KOMITET E IMPRENSA ESQUERDISTAS IMPEDEM MÉDICOS BRASILEIROS DE SALVAR VIDAS

ESTADÃO - 21/04/2020 - Pag. A10

Em São Paulo, apenas na rede de hospitais Sancta Maggiore (Prevent) muito mais de 600 vidas já foram salvas da Covid-19 pela mistura hidroxicloroquina-azitromicina nas doses corretas e aplicadas  em intervalos protocolares desde os sintomas iniciais.  Entre as pessoas curadas, quase todas idosas e pertencentes a grupos de elevado risco, encontra-se a dona daquela rede hospitalar, bem como grande parte de sua família. Essa septuagenária chegou a ser internada, entubada e desenganada na UTI logo no início da pandemia. Mas, seu filho - CEO da Prevent - tratou-a com aquele protocolo clínico criado no hospital e ela, sã e salva, esta em casa. 

Além disso, em diversos locais da Europa e dos Estados Unidos, a moléstia  está sendo derrotada com o uso daquele  remédio Mas, esse "mero pormenor" não interessa, nem a jornais e TVs brasileiros, nem ao Komitet (Conep) dominado por oriundos do Partido Pátria Livre- PPL, herdeiro político do antigo bando terrorista MR-8, agora incorporado ao Partido Comunista (PC do B).

O Conep é uma comissão do Conselho Nacional de Saúde (CNS) criado em 1994, quando o governo FHC (Fernando Henrique Cardoso) deu início ao aparelhamento do Estado brasileiro pela extrema esquerda marxista, depois completado pelo PT nos governos de Lula e Dilma. O coordenador daqueles organismos - médico Jorge Venâncio, que usou o jornal O Estado de S. Paulo para atemorizar e tentar bloquear as ações da Prevent - foi candidato a deputado federal pelo PPL nas últimas eleições, mas obteve  1.712 votos e não se elegeu. Hoje, está integrado ao PC do B.

OS EXTREMISTAS MOSTRAM-SE AGORA DISPOSTOS A PROMOVER ATÉ  EXTERMÍNIO EM MASSA PARA TENTAR DERRUBAR O PRESIDENTE DA REPÚBLICA LEGITIMAMENTE ELEITO POR QUASE 60 MILHÕES DE BRASILEIROS.

Como reconheceu o cientista da USP,  prof. PAOLO ZANOTTO, em entrevista ao jornalista Paulo Briguet do site BRASIL SEM MEDO, existem razões ideológicas para a recusa do tratamento por cloroquina: "Se o povo não estivesse falando que esse é o 'remédio do Bolsonaro' ou o 'remédio do Trump', seria diferente. Se fosse a 'droga do Doria' ou a 'droga do Lula', eu garanto que seria um sucesso. Há muita ideologia envolvida no problema. Para alguns, se for necessária a morte de milhões para tirar o Trump e o Bolsonaro, que seja assim."

A.A.Jr.   21/04/2020

No rastro socialista, já vieram desemprego, falências, estatísticas manipuladas e distorcidas, fome, confinamento domiciliar, isolamento social, milhares de  mortes no País... Mas, aos abraços, beijos, sem máscaras e sem vergonha, no Ministério da Saúde do DEM e de Mandetta, houve

FESTA E COMEMORAÇÃO

Veja o vídeo clicando aqui

A.A.Jr.   17/04/2020

 

ÂNIMO DE CALUNIAR

Para quem passou anos exercendo o jornalismo profissionalmente,  o valor determinante da publicação ou do descarte de uma matéria é a sua importância jornalística, é a amplitude  do interesse social que envolva o fato a ser noticiado, assim como as opiniões a seu respeito ou a sua interpretação  .

Isto porque o ato de noticiar resulta do ânimo de narrar ("animus narrandi", conforme se diz no Direito). Mas, se o fato não é verdadeiro, tudo o mais dele decorrente é falso e sua publicação configura o ânimo de difamar, injuriar ou caluniar alguém.

 A meu ver, tal publicação passa a ser criminosa na medida em que o autor, sabendo da falsidade, age dolosamente e abusa da liberdade de imprensa.  Não estará exercendo a livre manifestação do pensamento ou de opinião garantida pela Constituição, mas sim o “animus caluniandi”. Estará agindo com o ânimo de caluniar.

 No caso da tentativa de relacionar o nome do presidente da República ao assassinato da vereadora carioca Marielle Franco e de seu motorista, evidencia-se o intuito de caluniar ou, no mínimo,  o de difamar, pois quem noticiou sabia da falsidade da notícia.

Tanto sabia que, ao encerrar a narração mentirosa, confessa que tal fato não poderia ter ocorrido, pois, naquele instante,  seu protagonista – o então deputado federal Jair Messias Bolsonaro - se encontrava em Brasília, distante centenas de quilômetros do local do “acontecimento”.

Então, por que publicar  o que se sabia ser falso?  Fica  claro o intuito de macular a imagem de alguém inocente.  E  eis aí o ânimo de caluniar, difamar ou injuriar uma pessoa. Neste caso, o presidente da Repúblia. Isso é abusar da liberdade de imprensa. É crime definido em lei. E só isso já justificaria a indignação exposta  pelo presidente  Jair Messias Bolsonaro no vídeo que postou na internet para desmascarar seus detratores conforme se assiste  aqui 

Antônio Aggio Jr. - 31/10/2019

O PARTIDO SOCIAL LIBERAL

(PSL) NASCEU EM SÃO PAULO

EM 30 DE OUTUBRO DE 1994

Faz 26 anos que, com meu então Amado Chefe Senador Romeu Tuma, eu e um punhado de amigos fundamos o PARTIDO SOCIAL LIBERAL - PSL  durante uma brincadeira de achar a tal Terceira Via política,  que ficaria  entre a Esquerda e a Direita.

Era 30 de outubro de 1994, dia do meu   57º aniversário, que comemorávamos reunidos na gráfica de propriedade do empresário Sandro Saad. Também ali estavam o médico Rogério Tuma, filho de Romeu e autor  daquela ideia, além do deputado federal Robson, filho caçula do Senador,  o jornalista José Ronaldo CurI, que sugeriu o nome do partido, o pesquisador Ronaldo Kuntz estatistico da campanha pela reeleição de Romeu ao Senado,  o assessor Antônio Carlos Aparecido Ferrentilli e outros ativistas. Mas, a predominância de sobrenomes árabes era tamanha que Curi  zombava: o nome da agremiação deveria mudar para Partido Sírio-Libanês (PSL). Todos assinaram a Ata de Fundação  para registro em cartório e TRE. O assessor jurídico da campanha eleitoral de Tuma  incumbiu-se desse trabalho, que culminou com a escolha de Romeu para presidir a agremiação. Tempos depois, devido ao falecimento do Senador em 26 de outubro de 2010, nosso grupo se desfez e perdemos a noção do que estaria acontecendo ou iria acontecer ao PSL.

No momento da fundação, o  esboço de programa partidário já reconhecia a liberdade individual como valor político supremo e, por consequência, reafirmava e enfatizava a igualdade de todos os brasileiros perante a lei e as oportunidades, assim como  seu direito à legítima defesa da vida e do patrimônio, vinculado ao acesso aos meios legais -  inclusive  armas, quando necessárias - para o efetivo exercício desse direito.

Também preconizava a existência de um Estado enxuto, restrito a atividades básicas essenciais , naturais e inarredáveis, a exemplo da defesa da Pátria, da aplicação de justiça acessível a todos os cidadãos, do permanente e sistemático combate à corrupção, da garantia de segurança pública na cidade e no campo,  da proteção à propriedade privada, da educação em todos os níveis, da saúde e do bem estar da população, com ordem e progresso propiciando esse bem estar individual e coletivo.   

Ninguém poderia imaginar que, algum dia, a fidelidade do PSL  a esse sucinto ideário iria transformá-lo no Partido fadado a salvar o Brasil da organização criminosa petista e da canalhice psdebista, comandadas respectivamente  por Luiz Inácio LULA da Silva, JOSÉ DIRCEU de Oliveira e Silva, Antônio PALOCCI, DILMA Rousseff,  FERNANDO HENRIQUE Cardoso, José SERRA , AÉCIO Neves e Geraldo ALCKMIN.

VIVA A DEPUTADA JANAÍNA PASCHOAL QUE, COM SUA INTELIGÊNCIA E CORAGEM, APEOU O PT DO PODER E TORNOU POSSÍVEL A MATERIALIZAÇÃO  DAQUELE IDEÁRIO!

E VIVA O PRESIDENTE BOLSONARO QUE PRATICA AQUELES PRINCÍPIOS!

BRASIL ACIMA DE TUDO! DEUS ACIMA DE TODOS!

( Antônio Aggio Jr. – Texto publicado originalmente em

outubro de 2018 )

 

AVISO AOS NAVEGANTES!

Entre as longitudes 73°54’32”W e 34°47’30”W, e as latitudes 5°16’20”S e 33°45’03”S, existe   uma faixa continental com 8,5 milhões de  km², onde impera a impunidade, onde O CRIME COMPENSA. Ali há  reserva de impunidade para quem possa pagar advogados familiarizados com o uso de inúmeros recursos judiciais inventados para livrar da cadeia criminosos ricos, em especial os politicamente poderosos, os que usem colarinho branco e os que estejam a corromper o Estado Democrático de Direito.

Antônio Aggio Jr.

10/11/2019

 

GUINAR A BORESTE

As maiorias democráticas da humanidade estão-se revoltando, em todo o mundo, contra a dominação por vagabundos e corruptos,  sanguessugas acostumados a viver do trabalho alheio e que, mesmo sendo minoritários, querem  acabar com a identidade, a independência e a soberania das nações, além de tentarem restabelecer  a moral e os costumes de Sodoma e Gomorra. O resultado é o que surge por toda parte: Direita, volver! Mesmo porque ESQUERDA, palavra de origem latina, é sinônimo de SINISTRA, e, portanto, significa funesta, ameaçadora, assustadora, desgraçada. Em sua forma masculina (ou seja, SINISTRO) é sinônimo de desastre, acidente, naufrágio, grande prejuízo.

 A.A.Jr.    MANDAR 24-04-2017

UM GOLPE DE MESTRE

Desde o engodo ideológico praticado pelo Partido Comunista entre as décadas de 1910 e 1920 para  enganar os anarquistas da época e obter sua adesão esdrúxula ao marxismo-leninismo,  o surgimento do Partido dos Trabalhadores  foi outro grande golpe de mestre aplicado nas estruturas de esquerda, desta vez por inspiração da Inteligência Militar brasileira e não do Komintern soviético. É o que mostram os textos seguintes.

LULA-PT, UMA HISTÓRICA

PRESTAÇÃO DE SERVIÇO

Lula e o Partido dos Trabalhadores cumpriram à risca seu destino histórico, a exemplo de Lech Walesa com o Solidariedade polonês; Adolf Hitler com  o Partido dos Trabalhadores Alemães; e Stalin com sua  facção  bolchevista na Rússia.

Lula e seus partidários merecem o reconhecimento – embora, jamais o respeito! – dos povos latino-americanos pelo serviço sujo que prestaram, apesar do alto preço cobrado. Ou seja, demonstraram na prática e com pujança a natureza criminosa da ideologia socialista e dos seus instrumentos. Isto merece aplausos dos republicano-democratas de toda a América Latina

Lula e seus comandados cumpriram garbosamente a missão idealizada pelo maquiavelismo do então general Golbery do Couto e Silva (o “Bruxo”), ao garantir que, sob seu incentivo e proteção, um bastão político passasse às mãos do  vilão de maneira que se revelasse inteiramente.

Assim, o PT floresceu num xadrez de delegacia, regado pelo pragmatismo do delegado Romeu Tuma, então diretor do DOPS paulista; influenciado pelo intelecto de Delfim Neto, então ministro da Revolução de 1964;  e sob as bênçãos do empresário alemão Wolfgang Sauer, então dirigente máximo da Volkswagen no Brasil. A oportunidade desmascarou o ladrão...

O lulopetismo tornou-se o canal em que desaguaram incontinentes todas as tendências socialistas da época. E o que se seguiu mostrou que  o “Bruxo” tinha razão ao aplicar o antigo adágio “para conhecer o vilão, dê-lhe o bastão na mão” e ao predizer  que a torrente socialista, por sua própria natureza,  cumpriria a missão histórica de desnudar aos olhos do povo brasileiro o verdadeiro caráter da práxis socialista:  o caráter de organização criminosa estabelecida em nível de Estado.

Tal missão acaba de ser cumprida. Resta agora promover o “gran finale” com a volta do lulopetismo às origens, isto é,  o xadrez policial!

Antônio Aggio Jr. – 15/09/2016

A FACÇÃO DE LULA

O PT – Partido dos Trabalhadores é de natureza nacional-socialista (nazifascista).

Nasceu como fruto do maquiavelismo de um militar que conseguiu chegar a general sem nunca ter sido coronel;

foi amoldado aos interesses econômicos representados por um empresário alemão radicado no Brasil;

obedeceu ao pragmatismo de um delegado de Polícia que se transformou em senador da República;

e seguiu o malabarismo ideológico de um ser humano capaz de produzir um “milagre econômico brasileiro”, sem sair do seu gabinete de trabalho.

Assim, enganou as militâncias esquerdistas e funcionou como vertente dos ideais de tantos quantos, desinformados, não perceberam estar-se engajando numa ideologia  rapinante e infensa àquela que pensavam estar professando. Foi a pá de cal na luta armada que haviam praticado com o objetivo de aqui implantar uma "ditadura do proletariado."

Por isso, desde o engodo ideológico praticado pelo Partido Comunista entre as décadas de 1910 e 1920 ao enganar os anarquistas da época para obter sua adesão espúria, o surgimento do Partido dos Trabalhadores  foi o maior golpe aplicado nas estruturas de esquerda brasileiras, desta vez por inspiração da Inteligência Militar pátria e não do Komintern soviético.

Em abril de 2004, em entrevista a José Roberto Toledo, publicada pela Revista Poder, aquele mesmo “economista milagroso” declarou que o capitalismo brasileiro foi salvo pelo cidadão chamado Luiz Inácio Lula da Silva,   "uma inteligência absolutamente privilegiada”, “um sobrevivente.” Afirmou Delfim Neto que "Lula salvou o capitalismo brasileiro” porque logrou um feito “elementar” quando aumentou “a igualdade de oportunidades”. Acrescentou que, além das qualidades pessoais, Lula recebeu “uma mãozinha de Deus”. No final, o ex-ministro da Revolução de 1964 resumiu Lula numa frase: “O Lula é o Darwin Andando.” E acentuou que esse protótipo da evolução de espécie à brasileira é beneficiado por uma vantagem providencial:  “Nunca leu Karl Max". 

Na  verdade, como todo o Brasil sabe agora graças principalmente à Operação Lava Jato da Polícia e do Ministério Público federais, sob a liderança do juiz Sérgio Moro,   Luiz Inácio Lula da Silva, que apropriadamente se autodenomina  ”jararaca”, lidera uma mixórdia político-ideológica transformada em facção criminosa a serviço dos maiores ladravazes da História brasileira.  Algo que os promotores públicos denunciam à Justiça como sendo uma "propinocracia" :   "governo da proprina para a propina".

Dois meses após aquele pronunciamento do “economista milagroso”, dirigentes petistas deram início, no seio do Sindicato dos Bancários de SP ao estelionato em massa que se celebrizou, tempos depois, com o nome de escândalo da Bancoop.

A partir de 2006, provocado por uma enxurrada de ações movidas pelas vítimas, o Poder Judiciário paulista começou a se manifestar sobre o caso. Portanto, desde essa época a Bancoop e suas consequências estão na mira de procuradores do Ministério Público do Estado de São Paulo que buscam provar a materialidade dos crimes cometidos contra sete mil famílias lesadas com o conto da casa própria (estelionato, conforme o artigo 171 do Código Penal) e apontar os prováveis autores e beneficiários dos delitos, entre os quais enquadraram Lula, a esposa e o filho. O famoso apartamento tríplex do Guarujá faria parte de tais benefícios.

Ao contrário da Operação Lava a Jato, de competência federal, o caso Bancoop  sempre foi e é de competência estadual. Tem por objeto um golpe grosseiro, típico de malandragem de arrabalde, aplicado contra  milhares de trabalhadores de boa fé, ludibriados sob a influência do maior líder sindical do País e a égide de um dos maiores sindicatos laborais. Um golpe fuleiro – uma típica vigarice, reles mas capaz de proporcionar  “lucros” milionários graças à enorme qauantidade de vítimas iludidas com o prestígio dos vigaristas.

Ocorre que, nesse meio tempo, vários  dos envolvidos no escândalo da Bancoop e que tinham iniciado sua trajetória delituosa nos municípios do ABC, inclusive envolvendo-se na “queima de arquivo” que resultara no assassinato do ex-prefeito Celso Daniel, de Santo André,  deram o bote sobre a estrutura do governo federal. Durante anos, surripiaram bilhões de reais da Petrobrás e dos cofres públicos. Acabaram conspurcando toda a política nacional. Motivaram a Operação  Lava Jato, nome dado pela Polícia Federal às investigações sobre um conhecido doleiro de Brasília que transformara um posto de abastecimento e lavagem  de veículos do DF em quartel general para receber, branquear e distribuir  dinheiro  obtido criminosamente pelo bando. Portanto, a ação dos promotores públicos de São Paulo independe da apuração dessa falcatrua bilionária, a maior já vista na História das democracias  modernas em todo o mundo. E vice-versa. Ambas as operações tratam de crimes distintos embora, potencial e eventualmente, no final das contas, as provas obtidas num ou noutro processo judicial possam vir a se complementar de maneira a reforçar ambos. 

Assim, peca por ignorância ou má-fé quem alardeia que nossa Justiça estadual estaria “atravessando o samba” e prejudicando a Operação Lava Jato. Nada disso. As provas obtidas e entregues à Justiça pelo MP paulista  são tão robustas que parecem preocupar os defensores da “jararaca” até mais do que as coletadas pela Lava Jato. Tanto que, por alicerçarem o pedido de prisão preventiva agora apresentado, motivaram correria no Planalto e tentativa de blindar Lula através de nomeação para um Ministério. Tomara ele aceite o convite de Dilma: estará tirando a máscara. Além disso, faria a presidente da \república Dilma  tentar a prática do crime de obstrução da justiça em pleno exercício da  Presidência, com todas as consequências previstas pela Constituição e pela legislação criminal.

O pedido de prisão preventiva tornou-se plausível porque Lula e seus seguidores mais próximos tem-se comportado como se fossem cidadãos acima das leis. Procuraram jogar a população contra o Poder Judiciário. Como é do conhecimento público, sua estratégia de defesa envolve a sistemática pregação de ódio entre classes sociais em busca de confrontos violentos que rompam a ordem pública e tumultuem a vida nacional.  A atitude de Lula e aqueles seguidores, especialmente o líder do MST que apregoa possuir “um exército de prontidão”, parece antítese daquela tomada pelo presidente Getúlio Dorneles Vargas quando, em 1954, preferiu suicidar-se no Palácio do Catete a se ver como pivô de uma guerra civil.  

Antônio Aggio Jr. - 12/03/2016

 

Isto é país ou casa de tolerância?

Como acreditar em algo ou alguém num país onde a Câmara dos Deputados considera  a presença de determinado quadrilheiro em plenário como um atentado ao decoro da casa a ponto de se mandar exorcizá-la, enquanto, a poucos metros dalí, a presença do cabeça da quadrilha como especial convidado para a mais relevante cerimônia do Poder Judiciário que o está processando criminalmente é reputada como prestigiante para a  mais alta corte nacional?

Depois dos esclarecimentos feitos pelo Ministério Público Federal em entrevista coletiva sobre a Lava-Jato, hoje, caso restasse vergonha entre os envolvidos nessa repulsiva cusparada sobre o pudor do Supremo Tribunal Federal, todos pediriam demissão imediata. Assim demonstrariam na prática que, pelo menos, acreditam ser merecedores dos mais altos cargos do Poder Judiciário num contexto de País e não de casa de tolerância rebatizada de  “propinocracia”.

Antônio Aggio Jr. – 14/09/2016

Após a mandioca da“mulher sapiens”,

o resplendor moral  da “besta sapiens”

Eis  o que consta do livro de memórias do general Olympio Mourão Filho, escrito alguns anos após ele ter dado a largada da Revolução de 1964 em Minas Gerais:

"Ponha-se na Presidência qualquer medíocre, louco ou semi-analfabeto e vinte e quatro horas depois a horda de aduladores estará a sua volta, brandindo o elogio como arma, convencendo-o de que é um gênio político e um grande homem, de que tudo quanto faz está certo.
”Em pouco tempo transforma-se um ignorante em sábio, um louco em gênio equilibrado, um primário em estadista.
“E um homem nessa posição, empunhando nas mãos as rédeas de um poder praticamente sem limites, embriagado pela bajulação, transforma-se num monstro perigoso.
“Enquanto esse monstro é dirigido e explorado apenas pela lisonja, bajulado pela corte, a Nação sofre prejuízos de monta, é verdade, mas, apenas danos materiais em sua maioria e morais alguns.
“Quando, porém, sua roda é formada ou dominada por um bando refece de demônios, nesse momento a Nação corre os mais sérios perigos."
 

Na entrevista coletiva de ontem à imprensa nacional e internacional. o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva proferiu frases que deveriam envergonhar intelectuais e pseudo intelectuais que sempre o apoiaram. Porque, depois disso, somente alguém de estofo moral ou nível intelectual próximo ao dele ainda pode continuar em dúvida quanto aos crimes que lhe são imputados na Justiça.

Eis o que Lula acaba de dizer:

 “Eu, de vez em quando, falo que as pessoas achincalham muito a política. Mas a profissão mais honesta é a do político. Sabe por quê? Porque todo ano, por mais ladrão que ele seja, ele tem que ir para a rua encarar o povo, e pedir voto. O concursado não. Se forma na universidade, faz um concurso e está com emprego garantido o resto da vida. O político não. Ele é chamado de ladrão, é chamado de filho da mãe, é chamado de filho do pai, é chamado de tudo, mas ele tá lá, encarando, pedindo outra vez o seu emprego”(sic).

Antônio Aggio Jr.  - 16/09/2016

 

SE O TSE QUISER, NÃO IREMOS

TROCAR SEIS POR MEIA DÚZIA

·         O Diário Oficial da União publicou todos os decretos assinados  pela “PresidentA”  (sic)Dilma Rousseff com as despesas que ela mandou  fazer sem autorização do Congresso Nacional;

·         Também estão publicados no Diário Oficial da União as transferências de bilhões de reais que a “PresidentA”  mandou bancos controlados pelo governo – especialmente a Caixa Econômica – fazer para ela poder pagar contas que deveriam ter sido pagas apenas com dinheiro proveniente da arrecadação dos impostos, conforme estivesse previsto no Orçamento da União;

·         Tanto a Constituição Federal, como a Lei Orçamentária, a Lei da Improbidade Administrativa e a Lei nº 1079/1950 (crimes de responsabilidade) dizem que tudo isso é inconstitucional, ilegal e proibido  porque configura a prática do  crime de responsabilidade.

·    Através desses atos criminosos,  a “PresidentA” tentou disfarçar a caótica situação financeira do governo. Mas, só conseguiu enganar a militância partidária fanática e fazer que a ruinosa situação contaminasse rapidamente  toda a economia do País. Deflagrou a inflação alarmante, a carestia, o retrocesso do Produto Interno Bruto-PIB  e o desemprego generalizado.

·         Agora, a “PresidentA”   repete  −   e repete à saciedade numa  grosseira imitação de Goebbels  −  que se sente injustiçada e está sendo vítima de golpe porque “não cometi nenhum crime de responsabilidade”. Procura criar ao menos uma dúvida nas mentes cegas pelo fanatismo e gerar  confusão e slogans  para repetição entre simpatizantes  que não querem ver.

·          Mas, queira ela ou não,  o crime está definido e existe. Materializou-se da  forma que se vê acima. Portanto, se ele existe e não foi praticado pela “PresidentA”,    quem  o praticou?

·         Seria seu autor algum diretor ou funcionário do Diário Oficial da União-DOU? Ou algum diretor da Caixa Econômica Federal ou de algum outro banco controlado pelo governo? Ou alguém do Tesouro Nacional capaz de falsificar a assinatura da “PresidentA”   Dilma e  enviar tais atos  para publicação no DOU à revelia da Presidência da República?

·         Mas, no crime materializado, todos os indícios de autoria plausíveis e veementes apontam para  a “PresidentA”. E isto Dilma Rousseff  só  pode negar através de mentira...

·         Todavia, há crimes ainda mais infamantes e graves, apesar de não estarem  abrangidos pelo pedido de impeachment sob apreciação do Senado.  Fatos descobertos e comprovados por sucessivas operações da Polícia Federal a mando da Justiça, especialmente a Operação Lava Jato. Há provas ao dispor  do Tribunal Superior  Eleitoral suficientes para anular as últimas eleições presidenciais e cassar o mandato da chapa eleita com dinheiro surripiado da Petrobrás e dos cofres públicos. Isto é, cassar de uma só vez os mandatos da “PresidentA”  e do  seu vice, Michel Temer.

·         Assim, se o TSE resolvesse cumprir sua parte e agir poderíamos ter eleições legítimas e limpas  já. E desde que fossem impedidas candidaturas de políticos alvos de pendências judiciais criminais em quaisquer níveis  (da 1ª Instância ao Foro privilegiado) poderíamos, finalmente, ver o Brasil passado a limpo. Não estaríamos apenas trocando seis por meia-dúzia...           

A.A.Jr.   (20/04/2016)

VEJA NO VÍDEO, CLICANDO AQUI

Matérias publicadas em O JORNAL de 2003 a 2005

ÍNDICE GERAL DOS TÍTULOS E SEÇÕES

Tecle Ctrl+F para localizar palavras nesta página e depois no 'link' da edição, na coluna à esquerda. Existem arquivos em 'cache' nos sites de busca (Google etc.)

Edição

Assuntos principais

1

 
  • Pêndulo da História balançou de novo
  • Terror e mentira dão título de doutora em História pela Unicamp
  • II GM: uma vitória da luz sobre trevas (Autor: Romeu Tuma)
  • Teto de 30 anos para penas: indústria de falsas confissões

2

  • Querem destruir o Estado Democrático de Direito
  • Unicamp ainda não reviu o caso de doutorado pela mentira
  • Chanceler cubano rebate acusação dos EUA sobre o terror no "Eixo do Mal"
  • Cuba, bela e rebelde, entrega-se ao turista
  • Interlegis, a rede de informação do Legislativo brasileiro
  • Tuma permanece na Corregedoria do Senado Federal

3

  • Previdência: a mentira está virando verdade
  • Centros de ressocialização e unidades compactas, o novo sistema penitenciário
  • Cegos recebem livros em braile do Senado
  • STF bloqueia investigações de promotores
  • O escândalo de 30 bilhões no Banestado
  • Polícia sofre de exclusão social
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 

4

  • Senado condena fuzilamento de seqüestradores de barco cubano
  • Rasgaram nossa Constituição para oficializar juros da agiotagem
  • USP descobre o curativo do século
  • Estratégia para vencer, indica Sun Tzu
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)

5

  • Veja a Amazônia antes que acabe
  • E ainda querem liberar as drogas
  • Governo: o povo que se dane com as telefônicas
  • Só se pensa em desarmar os honestos
  • Forças Armadas estão em estado de penúria
  • INSS: reforma fere os direitos humanos
  • Cuba resgata irmãozinhos seqüestrados
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)

6

  • A segurança da urna eletrônica está sob ameaça
  • Bandido não vai ter porte de arma!
  • Compay Segundo falece aos 95 anos
  • Carta revela tragédia de uma sem-nada
  • Este homem assassinou o jornalista no acampamento dos sem-teto
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)

7

  • Stédile faz os sem-terra virarem bucha de canhão
  • Lula pode resgatar o antigo sonho de Mauro Borges
  • Armas: enquete mostra revolta
  • Somos os únicos habitantes do Universo?
  • Fidel Castro apresenta seu balanço de 50 anos de luta
  • Fome Zero paga 17 milhões em salários
  • Brasil perde Roberto Marinho
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)

8

  • Lula promete reforma agrária sem agressões
  • Querem reviver inferno nazista
  • Idi Amin morre ao fim de exílio na Arábia Saudita
  • A República da Panákia está em O JORNAL
  • FHC deixou a Polícia Federal em estado de penúria
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)

9

  • Afinal, quem fez o que nos "anos de chumbo"
  • Conflito interminável (Autor: Ben Abraham)
  • Corrupção (Autor: Walter Del Picchia)
  • Mediocridade e Previdência (Autor: Mangabeira Unger)
  • STF pode libertar bandidos hediondos
  • Carros para deficientes ficam livres de impostos
  • Estatuto do Desarmamento cada vez mais cheira mal
  • Demissão coletiva na faculdade "Cásper Líbero"
  • Governo arrasa projeto de irrigação no Nordeste
  • PT "loteia" cargos de direção no Banco do Brasil
  • Samuel Wainer, repórter que revolucionou nossa imprensa
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)

10

  • FMI dita reformas e avassala o País
  • Maria Rita, saboroso devaneio
  • Maior bandeira do mundo é nossa
  • Senado compra micros em seu 1.º pregão e economiza R$ 3 milhões
  • Governo cria supermáquina de informação e propaganda com R$ 90 mi por ano
  • Esta reforma tributária é caminho para o socialismo (Autor: Ives Gandra Martins)
  • Um libelo contra o perdão natalino dado a milhares de criminosos condenados (Autor: Vassili A. Vaitsev)
  • "Software" livre ganha força no Senado e pode revolucionar toda a informática  (Autor: Romeu Tuma)
  • Japão, sem armas, entra no rol dos crimes violentos
  • Projeto de lei põe as eleições em risco, afirmam professores das principais universidades
  • Estatuto do Desarmamento submeterá a população à sanha dos bandidos, dizem 12 entidades
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)

11

  • Lula surge como novo pacificador
  • Revolução silenciosa
  • Reforma Tributária volta à estaca zero com documento assinado por todas as lideranças no Senado
  • Yad Vashem, centro da memória do Holocausto, marca o jubileu com várias cerimônias em Jerusalém
  • Governo paulista condecora as seleções brasileiras de handebol que ganharam o ouro no Pan de Santo Domingo
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)

12

  • Asma paquistanesa deixa rastro de mortes no Brasil
  • Assembléia de SP homenageia a imigração árabe
  • Falhou o esforço para acabar com a briga Cuba/EUA
  • Senado imprime e doa livros em braile na 4.ª Bienal do Recife
  • Pastoral denuncia: menores se prostituem nos presídios
  • Israel destruiu a usina nuclear do Iraque e pode repetir a dose (Autor: Ben Abraham)
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)

13

  • Hitler fez desarmamento civil para impor nazismo
  • Depois da Pepsi, chegou a vez da Dolly: é guerra com a Coca-Cola
  • Marechal-do-Ar Alberto Santos Dumont no Livro dos Heróis da Pátria
  • Atentados em SP; manifestações no Paraná
  • Policial fala e morre
  • ONU concede o maior prêmio ambiental a um brasileiro
  • "Teorias da Conspiração" viram moda na Internet
  • Unicamp dá início ao 3.º Colóquio Marx e Engels
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)

14

  • Milagre brasileiro: 1 segundo de diferença legaliza crime hediondo
  • Guerra Dolly x Coca-Cola dá em CPI
  • Pesquisa da OAB deixa Judiciário no penúltimo lugar em confiança
  • Congresso Nacional: 180 anos de vida
  • ONU condena bloqueio a Cuba com o voto do Brasil
  • Igrejas fora de exigência do novo Código Civil
  • Aliviada a dívida de Estados e municípios
  • Carta aberta a Saramago
  • Biodiesel, nova fonte de energia renovável, prova ser bom mesmo
  • Vereança do Brasil é raiz do Poder Legislativo nas Américas (Autor: Romeu Tuma)
  • O "reinado" dos sem-instrução (Autor: Claudivan Santiago)
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)

15

  • Povo brasileiro perde a batalha, mas ganha uma heroína: Heloísa Helena
  • Olha a onça! Olha o bandido! Chama a Polícia! É o estatuto de outra trágica palhaçada
  • Mais um indulto dá liberdade a milhares de assaltantes
  • Nova lei eleitoral põe em perigo a confiança nas urnas eletrônicas
  • Brasil está sob ataque da Aids Social: insegurança
  • Atlasul prevê quando nosso mar vai virar inferno
  • Alta Paulista perde o seu Centro de Formação do Magistério e ganha cadeia (Autor: José Augusto de Godoy)
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)

16

  • FMI vence de novo; PT expulsa Heloísa
  • Roberto Carlos entra na luta contra o crime
  • Festival de revanchismo e indenizações milionárias
  • Guerra Dolly x Coca-Cola ganha anúncio em Wall Street
  • Demonstrada relação entre incultura das mães com a pobreza dos filhos
  • Brasil atrasado na corrida digital
  • Justiça amesquinha o jornalismo
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)

17

  • São Paulo foi concebida em São Vicente 41 anos antes de nascer (Edição comemorativa do 450º aniversário da cidade de São Paulo, a maior do Brasil)
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)

18

  • Despencam emprego, renda e a fé no governo petista
  • Trabalhador perde 6,4% e tem renda 30,6% menor que a de 1998 em SP
  • No País, cresce 42,5% o total de subocupados das principais regiões
  • No Recife, a jovem que matou estuprador vai para o xadrez
  • Lula renova promessa de zerar a fome
  • Nem gastando 1 bilhão, cidade de SP escapou das enchentes
  • Descoberta "lavagem" de R$ 4,3 bilhões através do Banco Central
  • Nossas Forças Armadas estão relegadas ao abandono
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)

19

  • Plebiscito já para a maioridade penal
  • Insanidade homicida em Madri causa a repulsa de todo o mundo civilizado
  • O inquérito ainda é da Polícia
  • Ladrões estão agindo à solta na Internet
  • Brasil ficou mais pobre com o PT em 2003
  • Síndrome da Insegurança Adquirida (Autor: Romeu Tuma)
  • Guerra Dolly x Coca ressuscita o lobista APS
  • Artigo faz alerta à humanidade (Autor: Ben Abraham)
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)

20

  • Lula revela que anistia consumiu 4 bilhões de reais
  • Menor comandava bando dos "e-mails" falsos
  • Hebe por Hebe: glória merecida
  • Querem expropriar os nossos salários
  • STF confirma a condenação do nazista gaúcho
  • Desemprego bate outro recorde em São Paulo e causa crise na base governista
  • Fearab repudia o terror em carta de solidariedade ao rei da Espanha
  • Câmara dos Deputados vai apurar denúncias da Dolly contra a Coca-Cola
  • Assembléia de SP investiga fraude milionária na telefonia
  • Tuma exige maior ação do governo na Amazônia pelo Calha Norte
  • Relatórios apontam risco de fraude nas urnas eletrônicas brasileiras
  • Caso Waldomiro enreda governo
  • IBAMA gasta mais do que multa
  • Vereador faz prefeita virar Martaxa
  • Deputado quer Odontologia no IML
  • 25 de Março será o dia dos árabes
  • Banda larga com acesso gratuito
  • Máfia atua no seguro obrigatório
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)

21

  • Mínimo e desemprego em massa cobrem de luto este 1.º de Maio
  • Estrela "eleitoreira" no jardim do palácio
  • Crise de autoridade ou falta de autoritarismo (Autor: Romeu Tuma)
  • Terras: dois pesos para justificar fraude e massacre
  • "Espião" da Coca-Cola está na Operação Anaconda
  • Sucesso na Bienal do Livro
  • Censura até na tragédia
  • Justiça mantém Internet de graça pela banda larga
  • Nova diretoria toma posse no Conselho das Comunidades de Raízes e Culturas Estrangeiras em São Paulo-SP
  • Advogados protestam contra assassinato de colega paulista em Tocantins
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)
  • Rodapé: "Esse governo tá mais pra associação de favela do que pra diretoria de escola de samba" (Dedé da Paraisópolis)

22

  • Estrangeiros apoderam-se da Amazônia
  • A Guerra "Santa"
  • ONGs tomam funções do governo
  • Mínimo da traição
  • Fidel a Bush: "Ave, César, os que vão morrer te saúdam"
  • Eleições: fraude à vista
  • Túneis em SP ficam R$ 71 milhões (48%) mais caros: Marta tinha esquecido até dos canos e postes
  • Deputado paulista já propunha proibir caça-níqueis no Estado antes da MP dos Bingos
  • Conselho das Comunidades Estrangeiras tem nova diretoria: Rezkalla na Presidência
  • Dois novos livros agitam o mercado editorial em São Paulo: "A Falácia Genética" e "A República da Panákia"
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)
  • Rodapé: "Quem abusa da liberdade, começa por não a merecer e termina por perdê-la." (Walter Del Picchia)

23

  • Governo quer liberar drogas
  • Ressurge a corrida bélica na América Latina (artigo – Augusto Nardes)
  • Homenagem dos Consegs
  • IR subtrai salários
  • Morte inglória de um herói autêntico
  • Pimenta no combate à enxaqueca
  • TST reintegra metalúrgicos que levavam armas para o MST
  • "Anistia Internacional só se preocupa com os criminosos" (Autor: Jorge Damus Filho)
  • Compararam em direitos os aposentados e os senhores de escravos, protesta Passarinho
  • País sob a "Síndrome do Reizinho", afirma Nêumanne
  • Cultura de "pit boys" e jiu-jitsu têm muito a ver com o atraso nacional, mostra Tognolli
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)
  • Rodapé: "O pior castigo para quem não gosta de política é ser governado pelos que gostam." (Arnold Toynbee, historiador inglês)

24

  • E quem continua torto? (Chamada do editorial "Com dança da quadrilha, entortaram a esperança", sobre a festa junina na Granja do Torto, em Brasília)
  • Dolly cola painéis contra a Coca e guerra ganha as ruas
  • Tietê renasce na Capital
  • Ameaça aos promotores públicos ofende tratado da ONU
  • Nildo Carlos lança romance
  • Sai nova pensão vitalícia de R$ 23 mil
  • Contrabando à vontade nas rodovias
  • Estação HC-IML: retrato da violência
  • Assembléia cubana em pé de guerra
  • Estudantes encapuzados atemorizam mestres em reunião do Conselho da Universidade de São Paulo – USP
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)

25

  • Canadenses denunciam a "farsa do desarmamento"
  • Lula usa o próprio exemplo para ativar a auto-estima brasileira
  • Ufanismo hipócrita (editorial)
  • 2.º "round" entre Fidel e Bush: seqüelas do alcoolismo
  • Na Rede TV!, ex-executivo complica a Coca-Cola
  • Golpes com cartões de crédito pelo telefone
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)
  • Rodapé: O ÚNICO E VERDADEIRO PODER DEMOCRÁTICO É O QUE EMANA DA LIBERDADE INDIVIDUAL

26

  • Querem acabar com a Lei dos Crimes Hediondos. É salve-se quem puder
  • Perdoados 4 terroristas que infernizaram Cuba
  • Jornalistas repudiam criação do Conselho Federal de Jornalismo
  • "Anistia faz 25 anos e eu continuo sendo torturado" (Autor: Celso Lungaretti)
  • Governo quer socializar imprensa, TV e cultura
  • Livro vale por um curso processual inteiro
  • Golpes na Web têm até "bilhete premiado"
  • "O que é danoso: arma bem guardada ou nas mãos de bandido?" (Autor: Alberto Fraga)
  • País cresce; pobreza nos lares aumenta
  • Insegurança ameaça nossa democracia (Autor: Romeu Tuma)
  • Uma missão surpreendente para o Exército Brasileiro (Autor: José Carlos Leite Filho)
  • Se a urna não imprimir, seu voto pode sumir
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)
  • Rodapé: SE A URNA NÃO IMPRIMIR, SEU VOTO PODE SUMIR!

27

  • País do futebol e carnaval ganha a taça da corrupção
  • Também estamos entre os campeões do narcotráfico
  • Ex-guerrilheiro clama ao ministro Thomaz Bastos por justiça
  • Brasil faz a maior eleição-e do mundo
  • O assassino "Champinha" pode sair livre da Febem
  • Laudo de perito põe abaixo o mito da inviolabilidade das urnas eletrônicas
  • Manifesto de militares aponta revolução em marcha no setor rural
  • Salários despencam pelo sétimo ano consecutivo, diz IBGE
  • ONGs já somam 260 mil e têm 1,3 milhão de empregos
  • Estatuto: quatro ladrões rendem e saqueiam 46 PMs desarmados
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)
  • Rodapé: Diminuir horas-extras  para criar vagas na indústria é aumentar a pobreza do trabalhador. Só o PT não vê isso

28

 

  • Células-tronco e soja iguais em valor aos olhos da lei no País
  • Serra derrota Marta e vai gerir a cidade de São Paulo
  • ONU condena bloqueio a Cuba pela 13.ª vez: 179 votos a favor e 4 contra
  • Corrupção já beira a endemia
  • Cresce a opressão tributária
  • Uma praga à solta produz mais violência: "lavagem" do dinheiro sujo do crime (Autor: Romeu Tuma)
  • Cai nossa aptidão para competir
  • Urnas-e ainda têm problemas
  • Ben Abraham fala de Paganini (artigo)
  • Olavo de Carvalho: Carta ao Amigo (artigo)
  • CONTA-GOTAS (noticiário amplo, geral e irrestrito): 1) Abertura dos arquivos, faca de dois gumes; 2) Brasil, primeiro a fabricar aviões a álcool; 3) Ato recorda "Noite dos Cristais"; 4) "Primo sonegare, dopo riformare" o Alvorada; 5) Campanha eleitoral de Marta: 19 milhões; 6) Maior a produção industrial em todo o País; 7) Cresce o apoio técnico Brasil - Cuba; 8) Murdoch é o figurão da "nossa" TV por satélite; 9) Verbas e mais verbas na mídia do governo; 10) Maluf, alvo da maior ação por improbidade em SP; 11) Um "exemplo" de visão política em São Paulo; 12) Fernando Sabino morre no RJ; 13) Celebridade mente e é presa (...nos EUA, é claro); 14) Jogo do Bicho, pedra à frente de Renan Calheiros; 15) Nossa dívida é pior do que proxenetismo; 16) Portugal: mão pesada da Justiça cai sobre corruptos; 17) Supermercado sem remédios, decide o STJ; 18) PT faz edição falsa do jornal AGORA SP; 19) Ministro dos Esportes não cansa de viajar; 20) Conexões muito rápidas agitam a Web; 21) Operações nebulosas entre Rainha e o MST; 22) Copa do Mundo 2006 já tem corruptos presos; 23) País dobra número de celulares; 24) É alemã "a" escavadeira
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)
  • Rodapé: “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas” (Antoine de Saint-Exupéry, em O Pequeno Príncipe)

29

  • Economia reage, mas insegurança cresce
  • Senado quer conhecer os efeitos da rotina em indultar bandidos
  • OAB e CNBB lançam campanha pró plebiscitos e referendos
  • Polícia Federal dá um show de eficiência nas operações
  • "Coice-de-mula" espanca repórter
  • Doentes de hepatite ganham isenção de Imposto de Renda
  • Leia o que informa NOSSO HOMEM EM HAVANA
  • As muitas mortes de Arafat (Autor: Moisés Rabinovici)
  • Veio a "Noite dos Cristais" e o mundo silenciou (Autor: Ben Abraham)
  • Globalização: o que é isso? (Autor: Alberto Aggio)
  • CONTA-GOTAS (noticiário amplo, geral e irrestrito): 1) Fraude na coleta bilionária do lixo em São Paulo, a maior cidade sul-americana; 2) Marta culpa Lula pela derrota e volta a Paris; 3) Viegas sai da Defesa disparando; 4) Brasil exporta programas sociais para a África; 5) Mutante de Sorocaba era gozação na Internet; 6) Cocaína transgênica surge na Colômbia; 7) Estudantes ofenderam Lula em Maceió; 8) Terror põe em risco as eleições palestinas; 9) Lula e Putin contra o terrorismo; 10) Hu Jintao e Fidel: 16 acordos; 11) Fiasco na "Operação Velório", no Cairo, evoca o "congresso" de Ibiúna de José Dirceu; 12) Derrota de Marta foi a senha para invasões; 13) "Site" permite ao cidadão controlar dinheiro público
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)
  • Rodapé: Nada é mais preconceituoso do que o radicalismo
30

  • Enquanto a agiotagem oficial campeia à solta, AEROLULA LEVA A ESPERANÇA EMBORA
  • Esbanjamento do dinheiro do povo ganha um novo símbolo
  • A bomba da miséria (Editorial)
  • Sessenta anos de minha chegada a Auschwitz (Autor: Ben Abraham)
  • Lula ressuscita Rondon
  • Síndrome de Chamberlain (Autora: Pilar Rahola)
  • Sai dos arquivos a verdade sobre Celso Lungaretti
  • "Sambandido" perde o pai, Bezerra da Silva
  • Dois anos de governo Lula (Autor: Alberto Aggio)
  • Usura, PPPs e acordos comerciais (Autor: Adriano Benayon)
  • São Paulo em seu 451.º aniversário (reveja a História)
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)
  • Rodapé: "A diferença da Revolução de 1964 para outras revoluções é a de que ela rejeitou o paredão e a guilhotina. Será que só importa como e por quem as coisas são feitas?"
31

 

 
  • Deputados arrasam pretensões do autoritarismo – “CASA CAIU” SOBRE O FALSO PT EM BRASÍLIA
  • O melhor do Brasil é a brasileira
  • Estadão, 150 anos como paradigma de jornalismo
  • Universidade plural, sociedade democrática (Autor: Alberto Aggio)
  • Che, além da motocicleta (Autor: Alberto Aggio)
  • Como se forja uma mentira doutoral com louvor na Unicamp
  • Kneippterapia, uma alternativa de tratamento para muitos males (Autora: Eunice Heras Galvez)
  • 137.253 acessos a O JORNAL nos 28 dias de fevereiro
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)
  • Rodapé: Os gênios adoram as ditaduras, mas só os imbecis gostam de viver sob elas
32

  • Precisamos de uma CPI com urgência para desmascarar QUEM ESTÁ SUGANDO AS TETAS DO TRÂNSITO
  • "Rombo" de R$ 10,8 bilhões na Petrobrás e na Caixa Econômica Federal
  • A cobra fumou, no Monte Castelo, há sessenta anos
  • "A economia vai bem, mas o povo vai mal" (Autora: Maria Lúcia Victor Barbosa)
  • Escândalo da anistia é alvo de denúncia do MPF
  • A política da democracia (Autor: Alberto Aggio)
  • OAB ataca a "farra" do PT
  • O Conta-Gotas (noticiário amplo, geral e irrestrito): 1) Brasileiros pagam agora dois quintos dos infernos; 2) Ouvidor da polícia bebe, mata e cai fora; 3) Vinte anos de poder civil; 4) Apelo a favor da Sinfonia Cultura; 5) Tuma Jr. sai do PPS e entra no PMDB; 6) Eleições na Acrimesp confirmadas pela Justiça; 7) Cuba: encrenca à vista, em maio; 8) Medicina Alternativa de A a Z: acusação de fraude; 9) Impunidade de Marta derruba Lei de Responsabilidade Fiscal; 10) Fotos marcam Ano do Brasil, na França; 11) Quis encher botijão de GLP com GNV: explodiu; 12) ONGs manipulam parentes de vítimas de bandidos; 13) Uruguai reata relações diplomáticas com Havana; 14) Cubanos e canadenses atrás de níquel e cobalto; 15) Tiroteio em Rio Acima: esporte e ação; 16) Como reconhecer o AVC (derrame); 17) Um açúcar para controlar diabetes; 18) Chá verde tem substância anticâncer
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto)
  • INTERNETEANDO (por Sérgio Quintella da Rocha)
  • Rodapé:  A diferença de atenção dada pelo governo aos assassinatos da religiosa no Pará e do policial-militar em Pernambuco veio demonstrar que continua em pleno vigor o lema da ditadura do Estado Novo: "Para os amigos, tudo;  para os demais, a lei."
33

  • Urge uma reforma penal para valer porque SÓ A INJUSTIÇA AQUI PODE TER SEGURANÇA (Autor: senador Romeu Tuma)
  • "Habemus Papam": cardeal alemão é agora Bento XVI
  • João Paulo deixa herança de bondade, solidariedade e fé
  • Arquivos secretos só daqui a 60 anos
  • Os cartunistas e a realidade do Brasil
  • O dilema da esquerda com o seu novo governo, no Uruguai
  • Relatório da ONU comprova: ecossistemas do mundo estão beirando o colapso
  • Ex-comandante do DOI/CODI revela fatos e afirma que 1964 teve uma contra-revolução
  • Ouça "Revórve do Tropeiro", modinha de Piriska Greco, Ângelo Franco, Mauro Ferreira e Luís Carlos Borges
  • A trilogia da socióloga Maria Lúcia Victor Barbosa: 1 - Companheiro Papa; 2 - O Rei da Mamona; e 3 - "Sois Rei?" (artigos)
  • Tributação nos governos socialistas do Brasil (Autor: Júlio César Zanluca)
  • O ponto de vista moderno (Autor: Alberto Aggio)
  • O recuo da incompetência (Autor: Themístocles de Castro e Silva)
  • Carta de leitor ao ministro Gilberto Gil em prol da sua cultura
  • O Conta-Gotas (noticiário amplo, geral e irrestrito): 1) Querem infernizar ainda mais a vida do paulistano (mudança total no rodízio do trânsito em maio); 2) Indicação de controlador do petróleo é rejeitada no Senado; 3) Vereador de SP usa cartão de visita em braile ; 4) Armas apreendidas voltam a mãos criminosas; 5) Mais rebeliões e mortes no Cadeião de Pinheiros; 6) Terrorista caçado por Cuba quer asilo político dos EUA; 7) "Polícia prende, Justiça solta", diz assaltante na TV; 8) Movimento busca a reforma da legislação penal; 9) Efeito prático dos indultos: alarma geral; 10) Seguradora e policiais unidos para lesar segurados; 11) Dez novos Estados podem aumentar a farra com dinheiro público; 12) Promotor público pode e deve investigar; 13) Propaganda enganosa atinge os sem-terra
  • O JORNAL: 190.631 acessos vindos de 81 países no mês passado (março/2005)
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • Rodapé: O enfraquecimento do catolicismo brasileiro acontece na medida em que a Igreja Católica segue pelo caminho político e deixa para outras religiões a preocupação com a fé.
  • "Links" para matérias das edições passadas (sinopse 2003/2005) e números já publicados
34

  • Governo cria país dentro do País em Roraima. ONGS EM FESTA NA AMAZÔNIA RETALHADA
  • Penúria e fervura no meio militar
  • 1.ª coletiva de Lula: "ação entre amigos"
  • Mar queria engolir avenida na cidade de Santos
  • Guarulhos livrou-se das maldades da carrocinha
  • Mais empregos após os 40 anos
  • O Conta-Gotas (noticiário amplo, geral e irrestrito): 1) Lula, mais caro que monarquias e Bush; 2) Defesa sob ameaça com fechamento da Imbel; 3) Família busca notícias de brasileiro no Japão; 4) Salva Vidas Mirim faz exposição de arte; 5) Governo dribla lei para duplicar funcionalismo; 6) Empresários instalam "impostômetro" em SP; 7) Dia dos Heróis e Mártires da II Guerra Mundial; 8) Eixo Vermelho se expande na América Latina; 9) "Afinal, o que é que eles queriam?"; 10) Prossegue luta contra criminalidade violenta; 11) ONGs atacam desarme de cidadãos honestos; 12) Projeto que expropria salários anda na Câmara; 13)  Crescem extorsões do crime organizado por telefone; 14) Eleições nos EUA: urnas-e têm que imprimir o voto; 15) Novo radar dá mais segurança em Brasília e SP; 16) Dinheiro dos pobres vai para "gays" e lésbicas; 17) Cartilha do "politicamente correto" é repudiada; 18) OIT diz que Brasil avançou na proteção ao trabalho; 19) Tribunal de SP julga culpa do governo por assaltos; 20) Indultos: mais nuvens negras sobre a segurança pública; 21) Febem quis soltar menores perigosos, afirma juíza; 22) China certifica anticorpo cubano contra o câncer
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto): Trabalhador mais pobre; Governo: tirem o traseiro do sofá; Fora com o terrorismo; Sapateiro não deve ir além dos chinelos; Jobim quer pensar política judiciária; Brasil volta a pisar na bola; Aéreas estão abrindo o bico; Ensino continua no fundo do poço; Ciência em ação; Malandro no xilindró
  • Rodapé: Lula tem razão! O brasileiro é acomodado mesmo. Só se mexeu para conseguir o impeachment de Collor por menos do que está acontecendo.
  • "Links" para matérias das edições passadas (sinopse 2003/2005) e números já publicados
3

3433

EXTRA

  • Congresso em pé de guerra exige CPMI porque RESSACA DO MAR DE LAMA ATINGE PLANALTO
  • Governo cria país dentro do País em Roraima. ONGS EM FESTA NA AMAZÔNIA RETALHADA
  • Penúria e fervura no meio militar
  • 1.ª coletiva de Lula: "ação entre amigos"
  • Mar queria engolir avenida na cidade de Santos
  • Guarulhos livrou-se das maldades da carrocinha
  • Mais empregos após os 40 anos
  • O Conta-Gotas (noticiário amplo, geral e irrestrito): 1) Lula, mais caro que monarquias e Bush; 2) Defesa sob ameaça com fechamento da Imbel; 3) Família busca notícias de brasileiro no Japão; 4) Salva Vidas Mirim faz exposição de arte; 5) Governo dribla lei para duplicar funcionalismo; 6) Empresários instalam "impostômetro" em SP; 7) Dia dos Heróis e Mártires da II Guerra Mundial; 8) Eixo Vermelho se expande na América Latina; 9) "Afinal, o que é que eles queriam?"; 10) Prossegue luta contra criminalidade violenta; 11) ONGs atacam desarme de cidadãos honestos; 12) Projeto que expropria salários anda na Câmara; 13)  Crescem extorsões do crime organizado por telefone; 14) Eleições nos EUA: urnas-e têm que imprimir o voto; 15) Novo radar dá mais segurança em Brasília e SP; 16) Dinheiro dos pobres vai para "gays" e lésbicas; 17) Cartilha do "politicamente correto" é repudiada; 18) OIT diz que Brasil avançou na proteção ao trabalho; 19) Tribunal de SP julga culpa do governo por assaltos; 20) Indultos: mais nuvens negras sobre a segurança pública; 21) Febem quis soltar menores perigosos, afirma juíza; 22) China certifica anticorpo cubano contra o câncer
  • ENTRELINHAS (por Amaira e Feguelli) 
  • A CHARGE DE COLETTI (por Nelson Coletti)
  • A MATRACA (por Assis Correa Neto): Trabalhador mais pobre; Governo: tirem o traseiro do sofá; Fora com o terrorismo; Sapateiro não deve ir além dos chinelos; Jobim quer pensar política judiciária; Brasil volta a pisar na bola; Aéreas estão abrindo o bico; Ensino continua no fundo do poço; Ciência em ação; Malandro no xilindró
  • Rodapé: Lula tem razão! O brasileiro é acomodado mesmo. Só se mexeu para conseguir o impeachment de Collor por menos do que está acontecendo.
  • "Links" para matérias das edições passadas (sinopse 2003/2005) e números já publicados

Mais de 8 milhões de acessos

Durante os 12 meses de 2006, ano em que foram suspensas as publicações periódicas regulares, o Webalizer (servidor estrangeiro que monitora tráfego na Internet) totalizou 8.171.904 acessos às matérias “linkadas” nesta página (arquivo acima). Outro marco na história de O JORNAL. Subiu para 126 o total de países dos quais partiram as consultas. O Brasil ficou com 70% do tráfego, seguido pelos EUA (Comercial e Educacional), Japão, México, Itália, Alemanha, França, Argentina, Suíça, Espanha, Holanda, Peru, Chile, Canadá, Polônia, Colômbia, Bélgica, Reino Unido, Áustria, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Suécia, Austrália, Finlândia, Turquia, Uruguai, Malásia e outros. O mês de novembro/2006 foi o recordista, com 1.473.895 "hits". Veja a estatística geral dos 12 meses de 2006 clicando aqui.    

Contatos com O Jornal